A hipocrisia é verde. Marina e a Odebrecht discutiam “cultura”

Por Fernando Brito, Tijolaço

Veja que flor de candura é a narrativa de Alexandrino Alencar, o mesmo que se esmera em detalhes sobre supostas “notas frias” que teriam sido usadas na reforma do sitio usado por Lula em Atibaia, no depoimento que a Folha reproduz:

Um hotel perto do aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, foi o local do primeiro encontro em 2014 entre Marina Silva (Rede), então presidenciável pelo PSB, e Marcelo Odebrecht, herdeiro e ex-presidente da empreiteira.

“A partir daí, houve uma conversa de Marcelo com ela, onde foram colocados posicionamento e valores -valores culturais, não monetários-, e estratégias”.

Quem o diz é Alexandrino Alencar, ex-diretor de relações institucionais da empreiteira. O depoimento à Lava Jato.

Imaginem Marina Silva e Marcelo Odebrecht discutindo valores culturais.

Ainda mais depois de ela ter se tornado vice de Eduardo Campos que, segundo os dirigentes da Odebrecht que lhe abriam as burras, “era alguém que resolvia problemas”.

Ora, Marina, tal como o famoso bagre de Belo Monte, também sua “nova política” se alimentava no lodaçal empresarial.

A sustentabilidade vem a ser algo como sustentar uma campanha política?

A “santinha da floresta”, então discutia “valores culturais” com Marcelo Odebrecht?

Como dizia a minha avó, “só em novela”.

Das mexicanas, e olhe lá.

Leia::  Se Yunes foi “mula” de Padilha, Padilha foi “mula” de Temer

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *