A mesquinhez de Moro é sua derrota moral

por Fernando Brito, Tijolaço

Em sua coluna, hoje, na Folha, Janio de Freitas gasta poucas linhas para traçar o perfil moral do juiz Sérgio Moro:

O juiz Sergio Moro ofereceu mais uma demonstração de como concebe o seu poder e o próprio Judiciário. Palavras suas, na exigência escrita de que Lula compareça às audiências das 87 testemunhas propostas por sua defesa:

“Já que este julgador terá que ouvir 87 testemunhas da defesa de Luiz Inácio Lula da Silva (…), fica consignado que será exigida a presença do acusado Luiz Inácio Lula da Silva nas audiências na quais serão ouvidas as testemunhas arroladas por sua defesa, a fim de prevenir a insistência na oitiva de testemunhas irrelevantes, impertinentes ou que poderiam ser substituídas, sem prejuízo, por provas emprestadas”. É a vindita explicitada.

Um ato estritamente pessoal. De raiva, de prepotência. É uma atitude miúda, rasteira. Incompatível com a missão de juiz. De um “julgador”, como Moro se define.

O Judiciário não é lugar para mesquinhez.

Ouso, concordando com a ideia, discordar de mestre Janio na realidade dos fatos.

Tornou-se, sim, o lugar da mesquinhez, onde a acusação e a prisão passaram a corresponder a uma opção político-ideológica e, a segunda, como uma afirmação moral e não um castigo legal, ao qual se antecipa.

Tanto é assim que pessoas ainda não condenadas – ou condenadas ainda sem trânsito em julgado de suas sentenças – são mantidas presas meses a fio, para forçar-lhes uma delação conveniente, sob justificativas vagas que correspondem, no fundo, aos doutores se  igualando aos papos irresponsáveis de botequim, na base do “roubou (ou digo, ou suponho que), tem de ser preso.

Leia::  Cunha alerta Temer: "Sabíamos de tudo e de todos", diz à Lava Jato

Mas há, ainda, outra constatação que se pode fazer, ante a mesquinharia de Moro. É que, embora seu poder legal seja imenso e arbitrário, ampliado pela covardia moral dos tribunais de 2ª e da suprema instâncias, que tremem de medo de aparecerem como revogadores de suas decisões, o juiz de Curitiba e virtual dono do Brasil sofre de uma irreversível desvantagem moral.

É que Lula penetrou em sua alma e psiquê, é uma obsessão, é o resumo de sua existência medíocre e arrogante. Destruí-lo é  sua razão de viver.

Já Moro é um – mais um – acidente na trajetória de Lula, por mais fatal que se possa admiti-lo.

Por isso, se me fosse perguntado que conselho modesto eu poderia dar ao ex-presidente, às vésperas de seu depoimento e ante a maratona de audiências a que Moro quer obriga-lo a presenciar, calado, sem poder se manifestar,  diria que eu sigo o conselho que ouvi de Brizola. Na campanha de 1989, numa reunião com intelectuais, promovida por Gilberto Gil na casa do sempre gentil Chico Buarque de Holanda, ele disse: “na hora da dificuldade, eu vou me aconselhar com os poetas”.

Dou então, um conselho de Raul Seixas a Lula, no seu Gita, que parece ter sido escrito pensando em Moro:

Você me tem todo dia
Mas não sabe se é bom ou ruim
Mas saiba que eu estou em você
Mas você não está em mim

One comment

  1. Hi There! We are looking for some people that are interested in from working their home on a full-time basis. If you want to earn $500 a day, and you don’t mind developing some short opinions up, this might be perfect opportunity for you! Simply click the link here NOW!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *