A rocambolesca história do desespero da PF (e da PGR) com Palocci

por Fernando Brito, Tijolaço

O vazamento da delação de Antonio Palocci, negociado com o jornal O Globo é rocambolesco.

História para fazer um “filme B” de Hollywood.

Palocci diz que “foi pessoalmente levar pacotes de dinheiro vivo ao ex-presidente e relacionou datas e valores entregues por um de seus principais assessores, Branislav Kontic, na sede do Instituto Lula”.

Lula devia andar meio “por baixo” porque segundo Palocci, “chegavam a somar R$ 50 mil” ou dez por cento do que Rodrigo Rocha Loures pegava a cada mala da JBS.

Segundo o jornal, Palocci teria como provas o depoimento de motoristas que o levavam ao Insituto Lula e o rastreamento de antenas de celular mostrando que ele ia se encontrar com Lula.

Palocci listou datas e horários das entregas de dinheiro a Lula como parte do conteúdo probatório. A partir dessas informações, investigadores teriam condições de atestar encontros, por meio de ligações telefônicas entre Lula e Palocci, e pela posição dos aparelhos celulares no mapa de antenas.

Ora, está evidente que Palocci não tem nada para incriminar Lula e, não tendo, quer apelar para histórias sem nenhum conteúdo de prova.

Ir ao encontro de Lula é crime.

Ligar, a caminho, do celular, para ele, é prova de que estava levando dinheiro?

Alguém acredita que o homem que governava com poder sobre dezenas de bilhões de reais ia receber um “paco” de R$ 50 mil numa complicada operação logística, quando podia receber cinco ou sete vezes mais por uma palestra, sem qualquer problema?

As tratativas de Antonio Palocci com o Ministério Público esbarraram na falta de provas do que dizia.

Agora, a meganhagem da Polícia Federal, pega o bagaço do ex-todo-poderoso e usa para tentar desfazer a onda pró-Lula que se forma no país.

Leia::  Gilmar e Moro agora querem punir vazadores

Palocci é só um destes desqualificados que sempre faz aquilo que os outros pedem dele, sejam o “mercado” sejam os policiais.

Dele, só vem marola.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *