A treta de Aloysio com Joice Hasselmann mostra que o PSDB perdeu a guerra com a extrema direita que cultivou

Aloysio
por  Kiko Nogueira, DCM

O PSDB está tendo de lidar com os indigentes mentais de extrema direita que alimentou ao longo do processo de impeachment. 

Como esse pessoal não anda sozinho, há as milícias, como a do MBL, e blogueiros como Joice Hasselmann, co-protagonista de uma treta épica com Reinaldo Azevedo, porta voz dos tucanos que hoje tenta se livrar dos fãs amealhados no tempo em que se orgulhava de ter inventado o termo “petralha”.

A nova briga é em torno da Lei da Imigração. Segundo Joice, ex apresentadora do canal da Veja no YouTube, é “um atentado do Senado à soberania e à segurança”.

Ela gravou um vídeo malucaço. Sentada em cima de uma bandeira do Brasil, garante que nossas fronteiras foram “escancaradas para grupos terroristas”.

Joice, que é bolsonarista, avisa que tudo é “travestido do politicamente correto”.

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, não gostou e escreveu uma resposta nas redes sociais. 

Aloysio, veja você, foi aplaudido por Joice e seus amigos quando, em 2015, fez com Aécio, Caiado e outros uma “visita” à Venezuela para tentar ver Leopoldo López — na verdade, uma provocação sem sentido para ganhar a simpatia de extremistas desqualificados.

Deu no que deu.

Eis o protesto de Aloysio no Facebook.

A respeito da nova Lei de Imigração, muita mentira vem sendo divulgada:

Não há uma só letra no projeto que dê margem a alguém com um mínimo de discernimento ou honestidade intelectual a interpretação de que estamos “abrindo fronteiras para terroristas ou traficantes” ou que “um exército terrorista e narcotraficante, travestido de indígenas, violará nossas fronteiras”.

Em relação às populações indígenas, a lei lhes assegura de direito o que hoje já é fato: o legítimo direito de transitar nas áreas fronteiriças, exclusivamente naquelas que eles tradicionalmente já ocupam. Terroristas, traficantes, armas e drogas, atravessam hoje quaisquer fronteiras, independentemente da lei. Para eles, existe, ou deveria existir, o Código Penal, a Polícia e as forças de segurança e defesa nacional.

O público-alvo da nova Lei de Migração são as pessoas de bem. Gente que, ao longo de séculos, premida por perseguições ou mesmo falta de oportunidades, tem deixado sua terra natal e aqui aporta sem nenhuma garantia. Gente que contribuiu enormemente para o nosso desenvolvimento com o seu trabalho, sem nenhuma garantia ou segurança, sendo alvo de todo tipo de preconceito e xenofobia. Essa gente forjou o que somos hoje: a essência multicultural e racial que enriquece o Brasil.

A nova lei é, portanto, um marco no processo de integração dos povos. Em tempos como os de hoje, em que muros voltam a ser levantados, o Brasil mostra ao mundo que se recusa a andar para trás. Participa da inevitável globalização econômica, mas balizado pela proteção à soberania nacional e pelos princípios básicos e universais da dignidade da pessoa humana.

Aos que criticam a lei, primeiro peço que leiam com mais cuidado o texto. Refiro-me por exemplo a uma blogueira de nome Joice Hasselmann ou a Luiz Philippe de Orleans e Bragança, cujos sobrenomes denotam a ascendência estrangeira.

Peço que saiam de seus castelos e visitem, por exemplo, os porões clandestinos em que milhares de imigrantes ilegais servem de mão de obra escrava, confeccionando roupas de grife que provavelmente eles próprios vestem.

Ou visitem os acampamentos no Acre onde diariamente chegam haitianos fugindo da tragédia e da fome, esmolando por oportunidade na mesma terra em que os Hasselmann ou os Orleans e Bragança um dia foram recebidos.

Estes mesmos, cujos descendentes hoje fazem terrorismo intelectual, entre egoísmo e hipocrisia, defendendo a bandeira e a soberania brasileira, negando a outros imigrantes os direitos e as garantias que a constituição brasileira conferiu aos seus antepassados e a todos os brasileiros, seja qual for sua origem.

Leia::  A CIA é uma Gestapo gigantesca

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *