Agressão de Freire a Raduan Nassar não é só grosseria, é ignorância

Por Fernando Brito, Tijolaço

O ministro da Cultura, Roberto Freire, em lugar de absorver, civilizado, as críticas do escritor Raduan Nassar ao  governo de Temer, e responder com espírito (que não tem) e inteligência (que lhe falta) resolveu partir para o “coice” na entrega do Prêmio Camões  ao romancista, sugerindo que ele devolvesse a premiação que, em parte, é subvencionada pelo Estado brasileiro e por Portugal.

Revela não apenas sua estupidez, ao não separar o que é o poder público e seu dever de incentivar a cultura – afinal, ele não tem ligações com ela, mas com a política, apenas – como a sua absoluta ignorância sobre quem é o consagrado autor de Lavoura Arcaica.

Raduan, não só no campo das ideias, deu muito mais ao Brasil. Inclusive em valores sonantes, não apenas morais.

Anos atrás, ele doou sua Fazenda  “Lagoa do Sino”, em Buri, no sudoeste de São Paulo à Universidade Federal de São Carlos, fazer um campus agrícola, com foco na agricultura familiar.

É muito mais do que a mesquinharia que Freire lhe faz.

A única coisa de útil que faz o ministreco – que nunca deu nada ao Brasil, senão sua incrível capacidade de sabujar o tucanato – é dar oportunidade para que mais gente se interesse pela história e pela obra deste grande apaixonado pela terra brasileira, mostrada neste vídeo do Globo Rural, magnificamente conduzido pela glória do jornalismo brasileiro, José Hamilton Ribeiro.

Assista, fala de algo que Roberto Freira nunca entenderá: colocar as pessoas, acima de seu próprio interesse material.

Leia::  Moraes, um brucutu-compadre no STF, coloca o tribunal sob suspeita

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *