As novas castas sociais e a vertiginosa ascensão dos inclames

por Sebastião Nunes, GGN

Classe média é um estado de espírito, ao contrário do que pensam sociólogos, economistas, publicitários, juristas, políticos e estatísticos.

As duas principais características da classe média são consumismo exacerbado e individualismo predador. A união dessas duas características cria o típico estado de espírito inclâmico, voltado para a destruição em massa de ambientes, bens e pessoas, gerando o individuo que denominei inclame.

Foi o surgimento das grandes cidades que propiciou a amplificação dessas duas características até o grau extremado que se verifica hoje.

Nas cidades pequenas o vizinho era visto como um ser humano a quem se devia um mínimo de respeito e, frequentemente, de solidariedade. Ninguém desperdiçava nada e se consumia apenas o necessário. Fauna, flora e seus habitats naturais existiam em harmonia com os humanos, apenas perturbados esporadicamente pelos, digamos assim, pré-inclames.

Tudo isto acabou.

Basta bater perna por alguns minutos pelas avenidas Paulista (SP), Rio Branco (Rio) e Afonso Pena (BH) para confirmar tal verdade (sic) ao vivo e in loco. Nas demais cidades grandes é a mesma coisa: todos são inimigos anônimos.

O sonho de qualquer indivíduo de classe média (inclame) é se tornar panderoso (aquele que pode tudo), sofrendo absoluto pavor de se tornar mauserável (a ralé social).

Num resumo grosseiro, as castas atuais se distribuem assim:

INCLAMES

São os ratos, baratas, pernilongos, gafanhotos, chatos, carrapatos, bichos-de-pé, percevejos, piolhos, pulgas e muquiranas da espécie humana. Representam cerca de 75,00% de todos nós e são imortais, reproduzindo-se por cissiparidade, capilaridade, proximidade, aglutinação e osmose. Tendem a constituir, até o final do século, 99,99% da população.

PANDEROSOS

Os que podem tudo. Constituem cerca de 0,01% da população, sendo invisíveis a olho nu. Jamais caem do cavalo. Personificam, em sua fechadíssima casta, o ideal supremo dos inclames, que, em todos os casos e, sem nenhuma exceção, aspiram a se tornar panderosos, o que muito rarefeitamente acontece, e só através dos absolutamente canalhas. Só estes, pela canalhice absoluta (aprovada e aplaudida pelos panderosos), conseguem ascender ao nível dos panderosos, com os quais, finalmente, se igualam, passando a usufruir fatias do poder.

Leia::  STF é o garante do regime de exceção

MAUSERÁVEIS

São, por exclusão, todos os que não sejam panderosos ou inclames. Representam hoje cerca de 24,99% da população e incluem artistas utopistas, intelectuais inteligentes (pois que os há burríssimos) indivíduos de espírito muito rico ou muito pobre, bandidos pobres (os ricos estão no poder representando os inclames) e os marginais de todas as marginálias. Sempre caem do cavalo, mesmo dos pangarés mais lerdos. Na maioria – desgraçadamente –, sonham secretamente se tornar inclames.

ESMIUÇANDO OS CONCEITOS

Basta por hoje. Com vagar e paciência, desdobrarei os conceitos acima, de modo que todos se certifiquem de que os tempos mudaram. Estamos vivendo uma época até há pouco inconcebível, em que uma direita absolutamente autoritária, desnorteada, burra e ignorante dá as cartas, todos os tipos de cartas, montada numa oposição que finge ser oposição.

Quantos anos de inclamidade nos esperam? Não sei. Ninguém sabe.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *