BNDES libera 35% menos. Vamos crescer sem investir e sem financiar?

por Fernando Brito, Tijolaço

Os números divulgados agora à tarde pelo BNDES são trágicos quanto à perspectiva de retomada do investimento e, portanto, da  própria atividade econômica no país.

Não só pela queda que você vê no gráfico – 35% ou R$ 47,2 bilhões a  menos que no ano passado e uma volta a um nível menor que o de 2008, ano da crise mundial – mas por outros indicadores, sobretudo o das consultas, que indica propensão a investimentos futuros.

11% a menos do que em 2015 pode não parecer muito, mas é sobre 2015, onde o país praticamente parou neste setor.

Os setores de comércio e serviços que respondem mais rápido – ao contrário da indústria, onde os investimentos demoram mais tempo a amadurecer – caiu mais: 40%.  Já o financiamento a capital de giro, embora represente volume pequeno na carteira do banco, subiu mais de 60%, indicando a falta de condições operacionais das empresas.

Dinheiro, mesmo, como se mostrou hoje cedo, só para o mercado financeiro.

Para o resto, nada, à procura do delírio da “inflação zero” (e juros, obviamente, não) que hoje o presidente do BC, Ilan Goldfarb já andou ensaiando para 3% em 2019.

O Brasil não tem economistas, tem agentes do capital financeiro.

Leia::  O avanço do desastre e o imperativo da resistência

One comment

  1. The male editors would turn up in on the internet discussions and state thinggs like, ‘Well,
    show us proof that there is a gender space,'” Lightbreather claimed, even though Wikipedia’s post on its own sex gaap states that beetween 84 and also 91 percent of editors aare male, which the discrepancy adds to the systemic prejudice iin Wikipedia.” She
    stopped tthe task force a couple of days later on. http://charlesfilterproj1.com

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *