Cármen Lúcia tentou pôr Fachin ou Barroso na relatoria da Lava Jato, sem sucesso

Por Jornal GGN

A ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, tem tentado, de maneira frustrada, chegar a um consenso com os demais colegas da Corte sobre a relatoria da Lava Jato, que ficou orfã desde o acidente aéreo que vitimou Teori Zavascki, na semana passada.

Segundo informações da jornalista Helena Chagas, Cármen tentou emplacar Edson Fachin ou Luis Roberto Barroso no posto, por considerá-los “discretos”, assim como Teori. A ideia era ter a aprovação de todos os magistrados, mas uma guerra de egos impede decisão nesse sentido.

O único que tem apoio da maioria é Celso de Mello. Porém, o decano deu sinais de que não quer essa responsabilidade – a não ser que o destino (leia-se sorteio) assim decida.

Por Helena Chagas

Fogueira das vaidades emperra relator no STF

Em Os Divergentes

É cada vez mais provável a chance de o destino da relatoria da Lava Jato ficar nas mãos do imponderável – que, no caso, é a redistribuição por sorteio eletrônico, mais provavelmente entre os integrantes da segunda turma, ainda que ela ganhe mais um membro. Bem que a ministra Carmen Lúcia vem tentando evitar isso, negociando uma solução em torno de um nome aprovado pelos colegas. Mas a fogueira das vaidades do STF não permitiu ainda que esse entendimento aconteça.

Não é por acaso que muitos que conhecem bem a mais alta corte do país costumam dizer que o Supremo é composto por 11 ilhas. Cada um ali é um luminar, uma autoridade, um escolhido pelos deuses. Todos muito ciosos de seu papel e sua imagem. Nesses tempos midiáticos de sessões transmitidas ao vivo, então, acirrou-se a competição por espaço – que, aliás, sempre existiu.

Leia::  A perigosa proximidade entre Moro e o site Antagonista

Por que Carmen Lúcia não consegue “endereçar” uma solução razoável, em torno de um nome técnico e discreto como o de Edson Facchin, que aceitaria mudar de turma para herdar a LJ, ou o de Luiz Roberto Barroso, que é revisor desta ação em plenário? Porque alguns de seus colegas, entre suas idiossincrasias, vetaram esses nomes. Por que querem ser relatores? Não. Simplesmente porque não querem ver o caso na mão de um desafeto ou adversário interno.

O único nome que talvez fosse aceito de bom grado pelos demais seria o do decano Celso de Mello, que, ao que se sabe, recusa a missão. Se Carmen Lúcia não conseguir demover a má-vontade de alguns colegas em relação aos outros, vai para o sorteio. E a Lava Jato terá que contar com a sorte.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *