Curitiba se mobiliza por Lula e pela democracia

.

Curitiba recebe milhares de manifestantes nesta quarta-feira 10, instantes antes do depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao juiz Sergio Moro na Operação Lava Jato; nesta manhã, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Félix Fischer negou dois pedidos de liminar impetrados pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mantendo o depoimento desta tarde do petista ao juiz Sérgio Moro em Curitiba

Do Brasil 247

Curitiba recebe milhares de manifestantes nesta quarta-feira 10, instantes antes do depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao juiz Sergio Moro na Operação Lava Jato.

Nesta manhã, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Félix Fischer negou dois pedidos de liminar impetrados pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mantendo o depoimento desta tarde do petista ao juiz Sérgio Moro em Curitiba.

Abaixo, reportagem da Reuters:

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Félix Fischer negou na manhã desta quarta-feira dois pedidos de liminar impetrados pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mantendo o depoimento desta tarde do petista ao juiz Sérgio Moro em Curitiba.

Na primeira decisão, Fischer rejeitou suspender a tramitação da ação penal contra o presidente, em que a defesa pedia acesso a documentos da Petrobras por pelo menos 90 dias para análise. O ministro também recusou pedido para permitir a gravação, por uma equipe independente, do depoimento do ex-presidente.

O ministro do STJ ainda não analisou um terceiro habeas corpus impetrado pelos advogados de Lula, que pretendia travar o andamento da ação penal, informou o tribunal.

O depoimento do ex-presidente a Moro está marcado para as 14h desta quarta-feira na 13ª Vara Federal em Curitiba e, mesmo antes de ocorrer, já é marcado pelos temores de tensões entre apoiadores do juiz e de Lula. Um forte esquema de segurança foi montado no local e o atendimento ao público será suspenso.

Leia::  Jucá: “Estamos na guerra e, se morrer, acontece, faz parte”

(Reportagem de Ricardo Brito)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *