Direto da prisão, impressões sobre a guerra ao terror: americano explica o que o levou ao extremismo

Uma foto de Shaker Masri em 2006, aos 22 anos. Foto: Arquivo pessoal

por Murtaza HussainThe Intercept Brasil

Em 2010, Shaker Masri, 26 anos, cidadão americano natural do Alabama, foi preso sob a acusação de terrorismo por ter  planejado, junto com um agente infiltrado do governo, deixar o país e aderir ao grupo militante Shabab, da Somália. Masri passou meses conversando com o informante sobre o desejo de viajar para o exterior e lutar. Depois de Masri expressar a vontade de partir para a Somália, os dois começaram a juntar recursos. Masri foi preso logo no início dos preparativos para a viagem.

Após a prisão, os promotores do caso descreveram Masri como defensor de “uma ideologia extremista e violenta”. A literatura jihadista encontrada no computador dele e o entusiasmo com que falava em lutar e morrer no exterior foram considerados como provas de sua periculosidade.

Acusado de tentar dar suporte material a uma organização terrorista, Masri se declarou culpado em 2012.

Ele foi condenado a quase 10 anos de prisão. Ao anunciar a sentença, o juiz argumentou que circunstâncias atenuantes, como a morte recente da mãe de Masri e sua relativa pouca idade, tinham contribuído para reduzir a pena. Hoje, ele cumpre o que resta de sua sentença numa prisão federal no estado de Minnesota.

Masri conta que estava comprometido com a ideologia jihadista no momento da prisão. Mas, depois de mais de cinco anos de encarceramento, diz que suas opiniões mudaram. Antes um fanático por grupos extremistas, ele agora diz que quer ajudar outros jovens a manterem distância do caminho que tomou e explicar para os americanos o que leva tanta gente a apoiar essas organizações.

A entrevista com Masri foi feita por telefone e e-mail. Da prisão, ele comenta seu caso, expõe suas opiniões sobre radicalização e fala do que acredita que precisa ser feito para minar o apoio a grupos terroristas. Para fins de clareza, a entrevista foi editada.

Leia::  A terra treme no Vaticano

Fale um pouco das suas origens e da sua criação.

Meus pais são originalmente da Síria, mas se mudaram para a Nigéria nos anos 1970 para escapar do serviço militar obrigatório. No início dos anos 80, meu pai passou para o programa de Engenharia de uma escola do Alabama. Eu nasci nessa época, mas passei a maior parte da minha infância na Nigéria. Tive uma criação muito tranquila. Meus pais me proporcionaram uma qualidade de vida muito boa, mesmo para os padrões ocidentais. Na nossa casa em Jos (cidade na região central da Nigéria), tive um computador com acesso à Internet desde pequeno. Meu pai também me dava dinheiro para comprar e cuidar de vários animais de estimação. Morei na Nigéria até os 18 anos, quando voltei para os Estados Unidos para fazer faculdade.

Quais eram suas convicções religiosas quando jovem?

Eu odiava figuras de autoridade em geral, mas odiava especialmente as pessoas religiosas que frequentavam a mesquita. Na Nigéria, quase todas as crianças com quem eu convivia eram expatriadas sírias como eu. E me sentia traído cada vez que uma das meninas entrava na puberdade e começava a usar o hijab, porque sabia que isso significava uma separação entre nós dali em diante. Meus pais me mandavam para um curso sobre o Islã nos fins de semana. Eu tinha horror dessas aulas que exigiam de nós uma certa disciplina e nos faziam desperdiçar tempo decorando coisas que não compreendíamos. Ensinavam para nós que qualquer insubordinação seria considerada um pecado, era tudo muito opressivo. Tentei, muitas vezes e sem sucesso, ser um muçulmano devoto. Depois de um tempo, simplesmente desisti. Eu ainda acreditava em Deus e queria ter esse abrigo da fé, que eu via em outras pessoas, mas tudo isso exigia um grau de comprometimento para o qual não estava pronto.

Leia::  Intelectual americano diz que mídia brasileira distorceu imagem de Dilma

Como você começou a formar sua visão política de mundo?

Eu sou do mundo árabe, e lá todo mundo se interessa por questões globais. É uma região muito afetada por acontecimentos do mundo todo. Tivemos televisão por satélite em casa durante toda minha infância e adolescência. Muitos canais mostravam notícias de pessoas da minha etnia ou da minha religião sendo perseguidas mundo afora. Lembro de assistir a um documentário sobre a guerra civil no Líbano, o assunto era o massacre em Sabra e Chatila. Fiquei traumatizado nesse dia. Depois do programa, fui até a casa dos vizinhos palestinos e perguntei para as crianças, que eram minhas amigas, se já tinham ouvido falar do massacre. Quando me disseram que não, fiquei furioso com eles. Para mim, ignorar aquilo era trair a memória das vítimas.

A história da minha família na Síria e os medos inerentes à vida de lá também influenciaram muito minhas opiniões. Nas férias de verão, costumávamos voltar da Nigéria para a Síria para visitar o resto da família. Antes de embarcar, meu pai pedia que minha mãe fizesse o necessário para garantir que, quando o avião pousasse em Damasco, meu irmão e eu não perguntássemos nada sobre política, nem fizéssemos comentários sobre os milhares de retratos de Hafiz al-Assad espalhados por todo canto. Quando alguém começava a falar sobre política nos jantares de família, lembro que as vozes iam baixando, ficava só uma tensão silenciosa no ar. Nas conversas, a impressão era que as pessoas estavam sempre pisando em ovos. Para mim, meu pai era sinônimo de segurança. Nessas viagens à Síria, no entanto, lembro de olhar para ele e ter medo de que me separassem dele sem motivo nenhum. Sentia uma pressão no peito que só desaparecia quando voltávamos para a Nigéria.

Leia::  Os assassinatos de índios milionários que levaram à criação do FBI nos EUA

Como o início da guerra ao terror influenciou suas convicções?

No 11 de Setembro, eu estava nos Estados Unidos, fazia faculdade em Illinois. Como a maioria dos muçulmanos, achava que o que tinha acontecido era errado. Mas também não me parecia certo me desculpar por algo que não tinha nada a ver comigo. Quando Osama bin Laden divulgou aquelas fitas, até entendi as críticas dele aos ditadores árabes e à situação palestina, mas achava o modo de atuação errado. Na mesquita, o imam só ficava dizendo que o Islã significava paz e que o Islã era contra o que tinha acontecido. Conheci alguns estudantes muçulmanos que tinham passado a vida toda nos Estados Unidos. Eu observava as discussões que eles tinham com outros estudantes sobre esses assuntos. Aprendi as linhas gerais dos argumentos deles, mas, depois disso, aprendi praticamente sozinho tudo o que precisava saber sobre religião e política.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *