Doria, Meirelles e Maia: o cheiro da traição se espalha

por Fernando Brito, Tijolaço

A frase é velha, mas nem por isso menos verdadeira: em política não há vácuo.

Os fatos estão bem evidentes, para quem os quiser ver.

Michel Temer, um Sarney pós- Plano Cruzado, está pendurado no neo-Centrão, com votos no Congresso e desprezo nas ruas.

O PSDB, desmoralizado nacionalmente, vai chegando ao impensável de que já lhe torçam o nariz em São Paulo. Quem imaginaria um editorial do Estadão lavrado nestes termos sobre o tucanato?

O errático comportamento do PSDB ao longo da grave crise política, econômica e moral que atinge o País vai muito além de sua anedótica indecisão. O fato de que 21 dos 47 deputados do partido votaram a favor da admissibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara, embora formalmente os tucanos sejam parte do governo, indica a profundidade da confusão que reina no PSDB.(…) 

Partidos surgem e desaparecem, e não será surpresa se o PSDB se desfizer, consumido por suas dúvidas e hesitações acerca de como se comportar diante da crise, ou melhor, para superar a crise. Quando duas dezenas de deputados resolvem votar contra o presidente que seu partido apoia, colocando em risco a estabilidade do governo que esse mesmo partido integra desde o primeiro momento, é o caso de perguntar se esses parlamentares estão realmente interessados na resolução da crise ou se simplesmente estão respondendo a um cálculo eleitoreiro.

Alinhando-se aos irresponsáveis que desejam implodir o governo, a pretexto de não parecerem transigentes com a corrupção no País, esses tucanos na verdade renegam o espírito fundador de seu partido, comprometido desde sempre com o reformismo, com a responsabilidade fiscal e com a estabilidade econômica – as bandeiras do atual governo.

O jornal dos Mesquita, portanto, está na obrigação de celebrar a aliança de João Dória com Temer, na esperança que este venha a sufocar Geraldo Alckmim bem expressa nas palavras ditas pelo ocupante do Planalto, hoje, sobre o enfant gâté da direita: “”Saio daqui mais animado ainda porque vejo aqui um parceiro, um companheiro, alguém que compreende como ninguém os problemas do país”.

Leia::  Gilmar: dá abrigo a ladrão (golpista)

Bem, é aí que entram as escaramuças que abordei no post anterior, onde é nítida a  costura de uma aliança entre Rodrigo Maia e Henrique Meirelles, que se apresentam como os impiedosos algozes do gasto público.

Nenhum dos dois tem voto, claro, mas recordem sempre que mídia e mercado sempre se consideram “donos” do país e do povo e, portanto, capazes de sonhar com uma candidatura conservadora.

A traição, com seu cheiro nauseabundo, espalha-se por toda parte.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *