“Falação castigada”, o novo bloco da Lava Jato

Por Fernando Brito, Tijolaço

Hoje, a coluna Painel, da Folha, traz uma intrigante  nota:

As perguntas encaminhadas por Eduardo Cunha a Michel Temer podem se voltar contra o ex-deputado. O Ministério Público acendeu o alerta sobre o teor dos questionamentos e entende que, se for caracterizado algum tipo de pressão, pode vir a usá-los como argumento de que Cunha ainda tenta influenciar a investigação da Lava Jato e não deve ser solto. A tese encontra eco em parte do STF que não tem intenção de libertar o peemedebista quando seu habeas corpus chegar ao tribunal.

O juiz Sérgio Moro fez escola.

Não é mais apenas ele que “não admite” que Cunha  fale qualquer coisa que possa parecer uma “prensa” sobre seu cúmplice (ao menos, político) que enverga a faixa presidencial.

Antes, com Lula e Dilma, o “algum tipo de pressão” era deixar o desgraçado preso até fazer alguma confissão que os tentasse atingir.

Agora, é deixar o desgraçado preso se ele falar alguma coisa que atinja Sua Usurpência.

Que poder teria Eduardo Cunha, sem mandato e sem poder, para pressionar o Presidente da República?

Mas parece que chegaram novos foliões ao bloco da Falação Castigada neste Carnaval, que desfila com o enredo “Não Bole com o Mordomo” e suas fantasias de capas pretas esvoaçantes.

Leia::  Ministro de Temer é acusado de levar propina de R$ 7 mi da Odebrecht

One comment

  1. Me and my friend Pete were driving down the highway at 90 miles per hour. Suddenly we saw those familiar flashing red and blue lights behind us and realized what was happening. “Oh crap”, Pete exclaimed, “We can’t get pulled over right now or that cop will discover the crack we have”. I hit the gas and sped up to 120 miles per hour. The cop surprising gave chase and sped up to keep up with us. To read more, go to http://www.AutisticWritings.com

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *