Indústria segue no fundo do poço. Investimento público afunda

Por Fernando Brito, Tijolaço

O crescimento de 0,1% na produção em fevereiro sobre a de janeiro é, literalmente, nada em termos de mensuração da atividade econômica.

A Reuters, agência de notícias mais “mercado” que a maioria, deixa muito claro:

O resultado ficou bem abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 0,7 por cento, após perda de 0,2 por cento no primeiro mês do ano. Na comparação anual, o resultado foi ainda pior, com recuo de 0,8 por cento em fevereiro, voltando ao ritmo de queda que havia sido interrompido em janeiro com avanço de 1,4 por cento. A mediana das expectativas apontava alta 0,35 por cento na base anual.

O que segurou, mesmo, foi o crescimento da produção de automóveis, que ampliou a receita de exportações (46%, em fevereiro) e cresceu 34% na medição do IBGE, empurrando para 19% o indicador de bens de consumo duráveis.

Quase todo o resto ou patina ou afunda.

Outro indicador importante, os investimentos das estatais, teve hoje divulgado um número avassalador.

Tão avassalador que até a Miriam Leitão, de quem aproveito o gráfico do post, o reconhece.

O valor caiu 50% em três anos e voltou ao nível de 2008, o ano da crise mundial.

Não se espere nada melhor, ao contrário, para 2017, porque o corte dos investimentos orçamentários se reproduzem em todas as estatais, hoje preocupadas em fazer o contrário: vender seus ativos.

E isso, para qualquer um que olhe os últimos 80 anos da história brasileira, quer dizer que não haverá crescimento econômico.

Leia::  Governo quer lançar o “Aposentado Escravizado”. E no varejo…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *