Intelectual americano diz que mídia brasileira distorceu imagem de Dilma

Um dos mais importantes brasilianistas, o historiador norte-americano James Naylor Green publicou um relato sobre as duas semanas que passou com a presidente deposta Dilma Rousseff nos Estados Unidos, onde ela palestrou em diversas universidades; “Conheci uma pessoa totalmente diferente da imagem promovida pela grande imprensa e pela mídia no Brasil”, descreveu; “Conheci uma mulher íntegra e com princípios firmes, que a incentivaram a entrar na luta contra a ditadura em 1965 e seguir lutando contra a desigualdade econômica e social durante o seu governo e agora na resistência ao golpe”, disse ainda Green; para ele, “fica muito evidente que a grande mídia criou uma imagem totalmente falsa sobre esta pessoa sensível e comprometida. É difícil prever o futuro, mas acho que ela ainda vai cumprir um papel importante nas lutas pela justiça e igualdade no Brasil”

Brasil 247

Um dos mais importantes brasilianistas, o historiador norte-americano James Naylor Green publicou um relato em que conta como a mídia brasileira distorceu a imagem da presidente deposta Dilma Rousseff.

Green esteve com Dilma nas quase duas semanas em que ela deu palestras em diversas universidades dos Estados Unidos, como Brown, Columbia, the New School, City University of New York e Harvard.

“Conheci uma pessoa totalmente diferente da imagem promovida pela grande imprensa e pela mídia no Brasil”, diz ele. “Conheci uma mulher íntegra e com princípios firmes, que a incentivaram a entrar na luta contra a ditadura em 1965 e seguir lutando contra a desigualdade econômica e social durante o seu governo e agora na resistência ao golpe”, acrescentou.

Para o intelectual, “fica muito evidente que a grande mídia criou uma imagem totalmente falsa sobre esta pessoa sensível e comprometida. É difícil prever o futuro, mas acho que ela ainda vai cumprir um papel importante nas lutas pela justiça e igualdade no Brasil”.

Leia::  O muro da América Latina e a guerra

Confira a íntegra:

Duas semanas com Presidenta Dilma nos Estados Unidos

Durante as quase duas semanas com a Presidenta Dilma Rousseff em Providence, New York, Boston e Cambridge, conheci uma pessoa totalmente diferente da imagem promovida pela grande imprensa e pela mídia no Brasil.

Ouvi ela falando em diversas universidades—Brown, Columbia, the New School, City University of New York e Harvard, entre membros da comunidade brasileira em Boston e New York e com acadêmicos como os Professores Skip Gates e John Comaroff de Harvard, quando servi de intérprete.

Também acompanhei a presidente em diversos momentos onde ela foi reconhecida por brasileiros, argentinos, uruguaios e mexicanos, que deram abraços e solidariedade por sua força e determinação. “Estamos com você”, falaram em português e espanhol. E é claro, pediram uma foto. Ela sempre abraçou a pessoa e conversou com ela, com uma atenção e interesse impressionante.

Dilma Rousseff é uma mulher culta, que insistiu em visitar as livrarias de Harvard e Nova York nos minutos livres. No Strand Bookstore, o famoso sebo na rua 12 com a Broadway, ela procurou livros sobre Inglaterra no século XIX porque estava interessada em entender a política do Primeiro Ministro Lord Palmerston em relação a Guerra Civil nos Estados Unidos.

Conversamos longamente sobre o seu passado na resistência à ditadura militar, a situação atual, as eleições de 2018 e as perspetivas para a luta contra a implantação do projeto neo-liberal no país.

Cabe a ela compartilhar estas idéias com o público, mas como escrevi em outra postagem, conheci uma mulher integra e com princípios firmes, que incentivaram ela para entrar na luta contra a ditadura em 1965 e seguir lutando contra a desigualdade econômica e social durante o seu governo e agora na resistência ao golpe.

Leia::  Dilma critica reformas e afirma que Justiça brasileira compartilha ideologia neoliberal

Fica muito evidente que a grande mídia criou uma imagem totalmente falsa sobre esta pessoa sensível e comprometida. É difícil prever o futuro, mas acho que ela ainda vai cumprir um papel importante nas lutas pela justiça e igualdade no Brasil.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *