Juca Ferreira: os sistema desmonta seus “heróis”

Via Tijolaço

Do Facebook do ex-ministro da Cultura Juca Ferreira:

A novidade dos últimos dias na grande mídia do Brasil é que, de uma hora para outra, passaram da mistificação e apoio incondicional aos juízes e tribunais, ao MP e seus promotores e à PF e suas operações para um apoio mais distanciado, menos entusiasta. Percebe-se uma crescente desconstrução desses “heróis”.

O processo de canonização desses “santos” perde força. Alguns, inclusive, já correm o risco de serem vistos como santos do pau oco. No terreno pantanoso em que se transformou o Brasil, o inferno é logo ali.

Outro movimento recente é a tentativa da mídia de se distanciar do governo federal e do parlamento, mudando o enfoque, até agora, de sustentação e apoio incondicional ao governo Temer.

A principal tarefa do governo golpista e de seu presidente, a reforma da Previdência, dificilmente será entregue, o que tem causado uma mudança de humor e um esgotamento da tolerância do andar de cima da sociedade com as traquinagens de Temer e sua turma.

A rejeição dessa reforma antipopular, contra os direitos dos trabalhadores, é da grande maioria dos brasileiros. E, ninguém no Brasil duvida que se trata de uma quadrilha atolada até o pescoço na corrupção e em práticas ilegais de todo o tipo. Alguns são espertos conhecidos de longa data e outros são personagens novos que saem da obscuridade já enlameados. É o caso dessa ex-futura ministra do trabalho, filha de um personagem repelente, encarnação do que há de pior na nossa política e que tem forte influência no governo Temer. Diga-se de passagem, a grande imprensa o tem tratado com muito respeito.

A condenação de Lula fecha uma etapa do golpe e tudo indica que o momento é de reorganização do tabuleiro para que algumas das peças voltem aos seus lugares tradicionais.

E tudo indica que a trinca dos principais protagonistas e fiadores do processo de ruptura da ordem democrática – judiciário/MPF/PF – vai ser instada a voltar a ser o que era antes do afastamento da presidenta legalmente eleita por mais de cinquenta milhões de eleitores.

Claro, antes que eles fiquem poderosos demais e ameacem irreversivelmente a ordem e os verdadeiros donos do poder no país e seus interesses: o capital financeiro e a farra dos rentistas; os grandes empresários de diversos setores econômicos e suas práticas ilegais de sonegação, desrespeito às legislações a que deveriam se submeter e também os grandes por trás dos negócios ilegais como o narcotráfico.

Cada dia mais se abrem pequenos espaços na mídia para informações que até então estavam censuradas; e assim ficamos sabendo de irregularidades, descumprimento da lei e verdadeiras transgressões. Aí estão o caso dos supersalários dos juízes e o inquestionavelmente ilegal auxílio moradia de Moro e de muitos outros juízes, até então apresentados como cidadãos exemplares, exemplos a serem seguidos pela sociedade.

As críticas e pontos de vista que estão vindo à tona são muito diferentes e respondem a diversas motivações. Mas é inegável que todo esse processo crítico da sociedade vai desaguar na demanda pela retomada da democracia sem a tutela golpista. A maioria das críticas se dirige aos evidentes atropelos desses paladinos à ordem jurídica e ao desrespeito aos direitos assegurados a todos os cidadãos e cidadãs.

Todo o processo da condenação de Lula é uma ferida aberta na nossa ordem jurídica e na nossa democracia. Poucos são os que no Brasil, verdadeiramente, não sabem que esse é um processo de perseguição. A farsa está desmoronando.

Enfim, a vida desses personagens que se transformaram em celebridades e verdadeiros heróis nacionais, apresentados como exemplos de cidadãos e cidadãs, não será tão confortável como vem sendo nos dias atuais. Essa imagem idealizada está ruindo rapidamente com a evolução dos fatos e com o acesso da população a novas informações.

A sensação é de que as coisas estão mudando para os que fizeram o “trabalho sujo” do golpe. Os operadores da “justiça” foram eleitos as últimas bolachas do pacote pela grande mídia e foram feitos celebridades e personagens midiáticos. Eles tinham uma função central no processo
de ruptura da ordem democrática; esse golpe precisava parecer legal, essa narrativa precisava ser vendida como verdadeira para, mais uma vez, vivermos no Brasil um golpe em nome da defesa da democracia.

Agora os que mandaram e desmandaram desde que Dilma foi afastada vão ser desmistificados e perderão parte do apoio e dos holofotes. Tudo controlado, sem que as forças conservadoras e direitistas percam as vantagens que acumularam desde que a democracia foi interrompida.

Se esses personagens aceitarem a perda de status e se conformarem com o lugar que está reservado para eles, na ordem natural das coisas no Brasil, serão cultuados e chamados para as grandes solenidades. Se resistirem, se agirem ameaçadoramente para o real establishment – os grandes empresários, os rentistas, os banqueiros e todo o andar de cima e suas conexões internacionais -, aí o bicho vai pegar.

Só lembrando que a resistência democrática vem crescendo e se expandindo rapidamente em todas as direções e estratos sociais. A rejeição ao golpe, a seus protagonistas, e ao projeto neoliberal de máxima exploração do Brasil e dos brasileiros também é crescente.

Ninguém é capaz de prever o que vai acontecer nesse 2018 até às eleições. Quem viver verá.

Leia::  O artigo sobre Dona Marisa que derrubou o site de Hildegard Angel

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *