Maior obra de Aécio foi propinoduto, diz Veja

A revista “Veja” desta semana publica mais uma acusação contra o senador tucano Aécio Neves, o “Mineirinho” da lista da Odebrecht; dessa vez, o periódico da editora Abril destaca como um dos seis inquéritos pedidos contra Aécio pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, refere-se ao pagamento de propina que o tucano teria recebido na construção da Cidade Administrativa, a nova sede do governo mineiro, que custou 2 bilhões de reais; a revista classifica a obra como um “formidável propinoduto”; segundo a delação de Benjamin Junior, ele próprio acertou com o senador Aécio Neves a montagem do cartel de empreiteiras, que pagou propinas de 2,5% a 3% do valor total da obra

do Brasil 247

A blindagem da revista “Veja” com o senador Aécio Neves parece mesmo ter chegado ao fim. A edição desta semana publica mais uma acusação contra o senador mineiro.

“Veja” destaca um dos seis pedidos de inquérito contra Aécio feitos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

“Um deles, Veja apurou, refere-se ao pagamento de propina ao senador na construção da Cidade Administrativa, a nova sede do governo mineiro, que custou 2 bilhões de reais e transformou-se num formidável propinoduto. Segundo a delação de Benjamin Junior, ele próprio acertou com o senador Aécio Neves a montagem do cartel de empreiteiras, que pagou propinas de 2,5% a 3% do valor total da obra.”

Megadelatado, a candidatura presidencial de Aécio em 2018 configura-se cada vez mais como inviável.

Leia::  Temer pode matar Netflix, maior ameaça à Globo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *