“Medo e Delírio em Las Vegas” faz acerto de contas com a utopia psicodélica

Medo e Delírio em Las Vegas” (Fear and Loathing in Las Vegas, 1998) foi o início do acerto de contas do diretor Terry Gilliam com a sua geração (a utopia psicodélica de que as drogas abririam as portas da percepção nos libertando de realidades opressivas), encerrado com o filme “Contraponto” (Tinderland) em 2006. O filme baseou-se no livro homônimo de Hunter Thompson, o marco do chamado “Jornalismo Gonzo” no qual a ficção seria mais poderosa do qualquer tipo de reportagem objetiva. Mas parece que toda uma geração esqueceu do alerta do escritor maldito Charles Bukowski: atualmente a realidade supera qualquer imaginação literária. Como centro espiritual de uma cultura planetária, Las Vegas incorporou (através da tecnologia) todos os delírios lisérgicos, não mais para libertar, mas agora para fazer as pessoas consumirem e perder dinheiro em mesas de jogos. Mais tarde, toda a indústria do entretenimento colocaria em prática a distopia de Las Vegas. Os heróis lisérgicos dos anos 1960-70 acabaram se transformando em nostálgicos freaks, impotentes diante dos delírios de LSD emulados pelas casas noturnas e raves.

por Wilson Roberto Vieira Ferreira, Cinegnose 

Para o Cinegnose o Deserto de Nevada, nos EUA, é o centro espiritual da cultura pop irradiada para todo o planeta. Lá estão os três eventos seminais para a cultura do século XX-XXI: a construção de Las Vegas, os primeiros testes com a bomba atômica e a Área 51. E mais a oeste Hollywood e o Vale do Silício como polo irradiador dessa nova espiritualidade pós-moderna.

Las Vegas como o símbolo do hedonismo, superficialidade e fugacidade; a bomba atômica e o medo da irradiação e do apocalipse num mundo que parece não nos pertencer; e Área 51 como o ponto de partida da paranoia e visão conspiratória do mundo.

Em postagem anterior discutíamos sobre esse “centro espiritual” cujos eventos seminais criaram as três formas de constituição da subjetividade na cultura atual a partir de uma mitologia de personagens que descrevem a condição humana nesse mundo: o Viajante, o Detetive e o Estrangeiro. O Viajante, conectado a Las Vegas; o Detetive à Área 51; o Estrangeiro à bomba atômica – clique aqui.

Medo e Delírio em Las Vegas (Fear and Loathing in Las Vegas, 1998), de Terry Gilliam vai explorar a rica mitologia dessa região do Oeste dos EUA, sob a visão distorcida e alucinatória das drogas dos seus protagonistas em 1972, já no fim da utopia psicodélica dos anos 1960.


O filme baseou-se no livro homônimo de Hunter Thompson, o idealizador do chamado “Jornalismo Gonzo” – um jornalismo experimental no qual o repórter deveria ter em mente que a melhor ficção está muito além de qualquer tipo de jornalismo. Por isso, o jornalista deve cair de cabeça na história e ser o personagem principal dos acontecimentos em uma narrativa em hipérbole.

Leia::  “Devemos ser amigáveis com todos, mas não venerar ninguém”: Charlotte Brontë sobre a vida, a solidão e a condição feminina

O livro e o filme de Gilliam é um relato em estado alterado de consciência de Raoul Duke (Johnny Depp) e seu advogado samoano Dr. Gonzo (Benício Del Toro) em suas incursões por Las Vegas deixando um rastro de desordem e quartos de hotéis destruídos.

Paranoia e conspirações

Ao longo do filme assistimos ao desfile de toda a mitologia fundadora da cultura pop planetária: personagens paranoicos às voltas com suspeitas de algum tipo de conspiração (de morcegos que voam no deserto a espionagens de agências governamentais), viajantes que vão de parte alguma para lugar nenhum e estranhos em uma terra que parece ser de ninguém.

O curioso no filme é o seguinte: em si a cidade de Las Vegas, com luzes feéricas e cassinos claustrofóbicos, propositalmente busca alterar o estado de consciência de seus visitantes para que consumam, joguem e se esqueçam do mundo real – afinal, “o que se faz em Vegas, fica em Vegas”, diz o famoso lema. Imagine então perambular por uma cidade lisérgica em estados lisérgicos de consciência induzidos por dezenas de papelotes de mescalina, cocaína em saleiros e frascos de éter puro.

Isso é o que Terry Gilliam pretende explorar com o filme: o sonho americano, cuja síntese é Las Vegas com seus medos de delírios (Área 51 e bomba atômica), visto pelo olhar distorcido por drogas capazes de produzir estranhamento com aquele mundo que nos convida e quer nos envolver – como o sonho americano pode se tornar aterrorizante, estranho e alienante.

O Filme

Duke, acompanhado do seu advogado Dr. Gonzo, dirigem um carro conversível alugado pelo deserto, na direção de Las Vegas. Duke (o alterego do Jornalismo Gonzo de Thompson) vai cobrir a célebre corrida de motocicletas no deserto chamada Mint 400 para a revista Sports Illustrated. Mas vai acabar ficando por lá para também cobrir uma convenção de agentes policiais que lidam com crimes de narcóticos.

Ironicamente, no porta malas do carro um arsenal de drogas que faria corar qualquer traficante: cocaína, haxixe, LSD, éter, mescalina, speed em trouxinhas, pílulas, papelotes, seringas, acompanhados de garrafas de rum e tequila.

Naquele porta-malas está o substrato químico que fez o sonho psicodélico dos anos 1960, em um carro como fosse uma espécie de bomba transportada para o centro espiritual do sonho americano. Duke e Dr. Gonzo são verdadeiros homens-bomba, 24 horas em estado alterado de consciência. Como fala o título do livro/filme, prontos para desmascarar o sonho americano, revelando o que há de medo e delírio por trás dele.

Leia::  A mulher que inventou o cinema

E com tantas drogas e potenciais estragos que irão provocar, nada melhor que ter a companhia de um advogado. De maneira hilária, Dr. Gonzo sempre fala: “na condição de seu advogado…”, antes de sugerir qual a droga mais oportuna para Duke em cada evento.

Gilliam transmite tudo isso em um incrível estilo visual, bamboleante, com uma câmera sempre em grande angular transmitindo estados de alienação, estranheza e paranoia. Para os protagonistas, não estão ali como meros repórteres da Sports Illustrated. Eles estão no centro de algum tipo conspiração (os eventos são sempre narrados em off por Duke, como nos filmes de detetive noir) que nem eles mesmos sabem de que natureza ou perpetrado por quem.

No caminho acabam cruzando com um estranho jovem-zumbi (Tobey Maguire) que os assusta de alguma maneira. Em com a adolescente Lucy (Christina Ricci) com quem Dr. Gonzo tem um breve flerte e fica paranoico, achando que involuntariamente drogou uma menor de idade.

Viajantes, Detetives e Estrangeiros em Las Vegas

A fórmula narrativa gnóstica está presente em Medo e Delírio em Las Vegas: os protagonistas são Viajantes (vieram de algum lugar impreciso), Detetives (paranoicos interrogam agressivamente até uma assustada camareira do hotel) e Estrangeiros (tudo ao redor é estranhamento e alienação).

Nesse filme, Gilliam começa a fazer um acerto de contas com a utopia psicodélico da sua geração – que mais tarde no filme Contraponto (Tideland, 2006 – clique aqui) encerraria: algo deu errado na missão desses homens bomba enviados para detonar o sonho americano.

O quê deu errado? Thompson com o seu Jornalismo Gonzo, Duke e o advogado Dr. Gonzo parecem não ter ouvido a sinistra profecia do escritor maldito Charles Bukowski de que a realidade superaria em muito a imaginação da ficção.

O leitor perceberá que em muitas cenas do filme quartos e cassinos possuem tapetes e papéis de parede com estranhas estampas em cores psicodélicas e formas onduladas. São estampas que emulam as alucinações psicodélicas do LSD. Isto é, Las Vegas, por si só, já é um gigantesco delírio lisérgico. Só que produzido não para libertar a mente – ao contrário, para fazer seus visitantes consumirem e perderem dinheiro nas mesas de jogos.

Leia::  Filme da Lava Jato é interrompido porque Eike patrocinava

Assim como na vida pessoal de Hunter Thompson, o livro foi a passagem por uma linha pessoal que iniciou uma trajetória incoerente até o seu refúgio em Woody Creek, Colorado, perdido nos seus prazeres, também Gilliam quer com o filme descrever o fim da utopia da sua geração.

De como o sonho americano acabou subliminarmente absorvendo todos os super estímulos produzidos pelas drogas que supostamente liberariam consciências, absorvendo-as por meio da tecnologia e sociedade de consumo – por exemplo, no final da vida o papa do LSD, o Dr. Timothy Leary falava que os computadores substituiriam o barato das drogas lisérgicas.

O livro e o filme estão ambientados em 1972 (acompanhamos nos monitores de TVs as imagens do presidente Nixon e cogumelos nucleares). No final daquela década a tecnologia subliminar da lisérgica Las Vegas já estaria presente em todas as discotecas do mundo com seus raios laser, luzes estroboscópicas e neons psicodélicos. Era a moda Disco em casas noturnas nas quais não eram mais necessárias drogas lisérgicas: a tecnologia já produzia o efeito por imersão.

Agora outra droga era necessária, uma droga mais individualista e narcísica: a cocaína, para manter corpo e mente ligados e dançando a noite inteira.

Uma nova droga e um novo mundo, que o filme Scarface (1983) de Brian de Palma retratou bem conectando a onda Disco com os novos cartéis de drogas.

Figuras como Duke e Dr. Gonzo se tornaram nostálgicos freaks de uma utopia destruída pela ingenuidade de acreditar que os tigres eram apenas de papel.

Ficha Técnica

Título: Medo e Delírio em Las Vegas
Ditetor: Terry Gilliam
Roteiro:  Terry Gilliam, Alex Cox baseado no livro homônimo de Hunter Thompson
Elenco:  Johnny Depp, Benício Del Toro, Tobey Maguire, Christina Ricci
Produção: Rhino Films, Shark Productions
Distribuição: Universal Home Entertainment
Ano: 1998
País: EUA

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *