Mercadante: é evidente a motivação política dos ataques às universidades

O ex-ministro da Educação Aloizio Mercadante condenou nesta quinta-feira, 7, a escalada autoritária contra as universidades brasileiras; em nota à imprensa, Mercadante lembrou que a operação da PF contra a UFMG ocorre no esteio do relatório do Banco Mundial, que defende o fim da gratuidade das universidades; “O que está em andamento, para além dessas ações típicas de um estado de exceção, é a tentativa de privatização completa do ensino superior brasileiro, com a asfixia orçamentária e o sucateamento das universidades federais, a partir da entrada em vigor da PEC 95 a partir do próximo ano, que promove uma ortodoxia fiscal permanente”, alertou o ex-ministro; “Precisamos defender, agora, as universidades públicas”, conclamou

Do Brasil 247

O ex-ministro da Educação Aloizio Mercadante condenou nesta quinta-feira, 7, a escalada autoritária contra as universidades brasileiras. Em nota à imprensa, Mercadante disse que apenas neste quatro grandes universidades foi alvo de ações “midiáticas” da Polícia Federal: as federais do Rio Grande do Sul (UFRGS), de Santa Catarina (UFSC), que resultou no suicídio do reitor Luiz Cancellier, do Paraná (UFPR) e mais recentemente de Minas Gerais (UFMG), com a condução coercitiva do reitor Jaime Arturo Ramírez e outros servidores.

“É evidente a motivação política nas recentes e arbitrárias operações policiais em universidades públicas brasileiras”, disse o ex-ministro. “Não podemos deixar de mencionar que essa tentativa de desmoralização das universidades públicas ocorre no esteio do relatório do Banco Mundial, que defende o fim da gratuidade nessas universidades. O que está em andamento, para além dessas ações típicas de um estado de exceção, é a tentativa de privatização completa do ensino superior brasileiro, com a asfixia orçamentária e o sucateamento das universidades federais, a partir da entrada em vigor da PEC 95 a partir do próximo ano, que promove uma ortodoxia fiscal permanente”, acrescentou.

Leia::  A obtusidade fascista faz da política crime e do povo um perigo

Para Mercadante, as forças democráticas precisam se manifestar. “O não cumprimento do ordenamento jurídico já quebrou importantes empresas para o país, com impacto profundo na nossa economia. Precisamos defender, agora, as universidades públicas, que ampliaram a democratização do acesso com a Lei de Cotas e que sustentam a produção de ciência, tecnologia e inovação, que são essenciais para produção de cultura e que configuram-se como patrimônio nacional indispensável para o país avançar em direção à sociedade do conhecimento”, afirmou.

Nesta quinta-feira, 7, um grupo de intelectuais e professores universitários divulgou manifesto em que repudia as operações da Polícia Federal nas universidades públicas brasileiras. “É inadmissível que a sociedade brasileira continue tolerando a ruptura da tradição legal construída a duras penas a partir da democratização brasileira em nome de um moralismo espetacular que busca, via ancoragem midiática, o julgamento rápido, precário e realizado unicamente no campo da opinião pública”, diz o documento (leia mais).

Questionado pelo 247 sobre operação “Esperança Equilibrista” que a PF deflagrou contra a UFMG, o Ministério da Educação (MEC), comandado por Mendonça Filho, lavou as mãos e disse que as universidades são autônomas (leia mais).

Leia, abaixo, a nota de Aloizio Mercadante na íntegra:

É evidente a motivação política nas recentes e arbitrárias operações policiais em universidades públicas brasileiras. Ações caracterizadas por um espetáculo midiático que agride as instituições, as pessoas e o próprio estado democrático de direito. Só no último ano, quatro das maiores e mais importantes universidades federais foram alvo desse tipo inaceitável de procedimento: a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade Federal do Paraná (UFPR), com a humilhação e o linchamento público que culminou na morte do ex-reitor Luiz Carlos Cancellier, e, nesta quarta-feira (6), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com a condução coercitiva de reitores, ex-reitores, vice-reitoras e ex-vice reitores e reitoras, administradores e dirigentes da referida instituição, sem razões fundamentadas e legais que justificassem tal violência.

Leia::  Após “discursos de ódio” de Villa, TV Cultura pede “isenção crítica”

Não podemos deixar de mencionar que essa tentativa de desmoralização das universidades públicas ocorre no esteio do relatório do Banco Mundial, que defende o fim da gratuidade nessas universidades. O que está em andamento, para além dessas ações típicas de um estado de exceção, é a tentativa de privatização completa do ensino superior brasileiro, com a asfixia orçamentária e o sucateamento das universidades federais, a partir da entrada em vigor da PEC 95 a partir do próximo ano, que promove uma ortodoxia fiscal permanente.

Compete lembrar que as universidades federais passam por controle permanente dos órgãos competentes, como o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Controladoria-Geral da União (CGU). Não cabe, com o pretexto de combate à corrupção, a adoção de ações arbitrárias e midiáticas, que fogem ao ordenamento jurídico vigente. Não podemos pré-julgar apurações e inquéritos em fase de investigação. Eventuais ilegalidades devem ser apuradas e os responsáveis penalizados dentro do devido processo legal e do amplo e irrestrito direito de defesa e do contraditório.

Apesar do completo silêncio da equipe do Ministério da Educação do governo golpista, os reitores já se pronunciaram publicamente pela necessidade de regulamentação do abuso de autoridade. No passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) já se manifestou, por meio de súmula vinculante, sobre o uso abusivo de algemas. É fundamental que esse mesmo STF normatize a prisões preventivas e as conduções coercitivas. E que o Congresso Nacional, como clamam todos os reitores e reitoras e importantes lideranças da sociedade civil, aprove uma nova legislação sobre abuso de autoridades.

As forças democráticas precisam se manifestar. O não cumprimento do ordenamento jurídico já quebrou importantes empresas para o país, com impacto profundo na nossa economia. Precisamos defender, agora, as universidades públicas, que ampliaram a democratização do acesso com a Lei de Cotas e que sustentam a produção de ciência, tecnologia e inovação, que são essenciais para produção de cultura e que configuram-se como patrimônio nacional indispensável para o país avançar em direção à sociedade do conhecimento.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *