Miriam Leitão consegue enfiar Lula e Dilma até no meio de sua desilusão com Geisel

FHC e uma fã no lançamento de seu livro no Leblon
por Kiko Nogueira, DCM

Uma crítica recorrente a Charles Bukowski era a de que ele escrevia sempre o mesmo livro (o beberrão Bukowski é autor do esplêndido conto “A Mulher Mais Linda da Cidade”, inspiração de um belo filme com Ben Gazarra e Ornella Mutti cujo nome não me recordo).

Miriam Leitão faz a mesma coisa, sem o mesmo talento.

Bukowski tomava vinho barato.

A cachaça de Miriam é Lula e Dilma.

Neste sábado, ela se debruça sobre o caso do documento da CIA que revelou, de acordo com a jornalista, “as duas ilusões sobre Geisel”.

São elas, segundo Miriam:

A de que ele foi bom na economia pelos planos de desenvolvimento e fortalecimento da empresa nacional. E a de que ele enfrentou a linha dura e teria sido surpreendido por mortes que aconteceram até dentro dos quarteis do Exército durante o seu governo, como a de Vladimir Herzog, e que reagiu a elas demitindo generais.

Depois de muito blablablá, ML chega ao que interessa:

A esquerda brasileira sempre teve a vertente que gosta do projeto econômico dos militares. Nesta visão equivocada, os militares teriam sido nacionalistas e desenvolvimentistas. A esquerda acaba de repetir, no poder, alguns desses erros, como as doações de recursos públicos para empresários, supondo que eles liderariam o desenvolvimento nacional. Foi assim nos governos Médici e Geisel, foi assim nos governos Lula e Dilma. O projeto econômico dos militares deixou um país com dívida externa impagável, inflação acelerada e indexada, empresas que receberam muito dinheiro e quebraram mas enriqueceram seus donos, grandes projetos agressivos ao meio ambiente, e a renda ainda mais concentrada.

Bukowski falava que “um intelectual é um homem que diz uma coisa simples de uma maneira difícil; um artista é um homem que diz uma coisa difícil de uma maneira simples”.

Miriam não é uma coisa e nem outra.

Sobre ela, ao contrário de Ernesto Geisel, não há ilusão nenhuma: é só oportunismo.

Leia::  A desilusão mandou recado neste domingo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *