Moro nem disfarça que faz “justiça” política, não criminal

Por Fernando Brito, Tijolaço

O interrogatório, hoje, do ex-ministro e ex-governador Tarso Genro, como testemunha de defesa do ex-presidente Lula, prestaram-se para o juiz-acusador Sérgio Moro demonstrar que o que se faz em Curitiba é um julgamento político, que nada tem a ver com a sua função de juiz criminal.

O que ele faz, no final do interrogatório, ao perguntar sobre quais foram as providências tomadas pelo PT depois do julgamento da chamada ação do “Mensalão” é de um abuso à toda prova.

Não lhe diz respeito analisar atitudes de um ente partidário, muito menos as de natureza subjetiva. Justiça criminal é sobre responsabilidade objetiva, sobre alguém praticar ou encobrir um delito, não sobre o julgamento moral que faz sobre apenamentos que são de indivíduos.

Tarso não se furtou a responder, porque é um homem dócil. A defesa ainda tenta objetar as perguntas, mas Genro é adepto da tese do ser “bonzinho”.

Alguém que não o fosse responderia ao juiz, com toda a razão, com um “com o devido respeito, senhor Juiz, não te interessa “.

Com toda a razão porque Moro não é um juiz das atitudes de partidos, mas de indivíduos. Não tem jurisdição ou interesse em saber se o PT fez um ato de solidariedade aos acusados ou  se os execrou moralmente.

Isso não interessa ao processo judicial criminal e, portanto, não interessa ao juiz.

Ou melhor, só interessa a um juiz como Sérgio Moro.

Será que ele indagaria a um depoente tucano sobre quais foram as execrações morais que fizeram a Eduardo Azeredo, o precursor do “mensalão”?

Ou será que perguntaria a Michel Temer, que foi testemunha de Eduardo Cunha, se o PMDB fez uma “pajelança” de exorcismo ao ex-presidente da Câmara?

Leia::  Cunha entrega Temer e diz que foi ele quem agendou reunião da propina

Se a Justiça brasileira se prezasse, Sérgio Moro estaria, agora, submetido a julgamento disciplinar, porque converteu um juízo criminal em tribunal político.

A Vara Criminal de Curitiba que ele comanda é um tribunal da Inquisição.

No mesmo esquema medieval: “Se você confessa, terei piedade e só o maldirei. Se não confessa, masmorra e fogueira moral”.

Reproduzo o vídeo do abuso intolerável de Moro e da docilidade de Genro, advogado experiente, que sabia da ilegalidade do que lhe estava sendo perguntado e que evitou, por “boas maneiras” a desqualificar, como merecia, o interrogatório indevido sobre as atividades exclusivamente partidárias.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *