No dia da condenação de Lula, Geddel ganha liberdade

“O fato do processo penal não poder se prestar à ineficácia e à morosidade não autoriza a Justiça a trabalhar por ficção”, escreveu o desembargador do Tribunal Regional Federal de Brasília Ney Bello; “Ofende a língua portuguesa decretar prisão ‘preventiva’ por atos de 2012 a 2015″, acrescentou

Do Brasil 247

O desembargador do Tribunal Regional Federal de Brasília Ney Bello autorizou o ex-ministro Geddel Vieira Lima a cumprir pena em regime prisão domiciliar.

Com isso, Geddel, que é acusado de atrapalhar investigações ligadas à Operação Lava Jato, deve deixar o Presídio da Papuda, em Brasília, até esta quinta-feira 13.

“O fato do processo penal não poder se prestar à ineficácia e à morosidade não autoriza a Justiça a trabalhar por ficção”, escreveu o desembargador, segundo a coluna Radar Online.

“Ofende a língua portuguesa decretar prisão ‘preventiva’ por atos de 2012 a 2015″, acrescentou.

Em depoimento prestado na última sexta-feira 7 à à Polícia Federal, Raquel Pitta, mulher de Lúcio Funaro, que está preso, confirmou ter recebido ligações telefônicas de Geddel nas quais teria sido “pressionada” sobre o acordo de delação premiada do marido.

Leia::  Fachin autoriza nova fase da Lava Jato que pode levar à cassação de Temer

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *