Nova denúncia: fecha-se cerco a Aécio Neves

por Ricardo Kotscho, Balaio do Kotscho

“É como diz o Sarney, o problema do Aécio é que ele acha que ainda é jovem” (frase reproduzida pelo colunista Jorge Bastos Moreno em O Globo de terça-feira).

***

Bom de papo, divertido, descolado, Aécio Neves é boa companhia para uma cervejinha de fim de tarde no boteco.

Sem chegar a ser amigo, tenho com ele uma relação de respeito desde o tempo em que era secretário de Tancredo Neves e carregava as pastas do avô.

De lá para cá, foi deputado, senador e governador de Minas, mas não mudou muito. Aparece sempre rindo, brincando com os amigos, de bem com a vida.

Talvez isto explique a sua dificuldade em encarar a realidade destes tempos de Lava Jato em que o nome dele é a toda hora citado como beneficiário de propinas nas delações da Odebrecht e de outras empreiteiras.

Neste final de semana, ele aparece com ar grave na capa da revista Veja. “A vez de Aécio”, diz o título.

Segundo a matéria, o executivo Benedito Júnior disse em sua deleção premiada que depositou propina para o presidente do PSDB numa conta em Nova York como contrapartida ao atendimento de interesses da empreiteira em obras como a da Cidade Administrativa do governo mineiro.

Em outro vazamento, Marcelo Odebrecht já tinha revelado que repassou R$ 50 milhões a Aécio após a empreiteira ganhar o leilão para a construção da usina de Santo Antonio, em Rondônia.

“Em nenhuma das obras citadas houve pagamento indevido”, diz a nota divulgada pela assessoria de Aécio, que classificou as informações de “falsas e absurdas”.

Preservado pela mídia enquanto deu, agora está se fechando o cerco a Aécio Neves, duas vezes governador de Minas, derrotado por Dilma na última campanha presidencial.

Leia::  Em entrevista, Temer diz que pergunta sobre babá é “ofensiva”: “Meu filho tem 8 anos e não precisa”

À medida em que se aproxima a divulgação da nova Lista de Janot, o senador mineiro vê sua candidatura para 2018 escoar pelo ralo nas pesquisas, que mostram o crescimento de outro tucano, o prefeito paulistano João Doria.

Certa vez, durante um almoço após a cerimonia da entrega de medalhas da Inconfidência Mineira em Ouro Preto (até eu ganhei uma), quando Aécio era um dos pré-candidatos do PSDB para as eleições de 2006, ele me disse que não mudaria seu estilo de vida para ser presidente da República a qualquer custo.

Se tivesse que ser, tudo bem, mas ele não se mataria por isso, foram mais ou menos as palavras que usou na conversa com os amigos sobre a sua possível candidatura. E logo mudou de assunto para falar de coisas mais amenas.

Os tempos mudaram, e só Aécio não percebeu que a fase risonha e franca da política brasileira, em que adversários não eram inimigos, tinha acabado.

Com seu jeitão de eterno playboy carioca à moda antiga, embora nascido em Minas, o neto de Tancredo enfrenta os momentos mais difíceis de uma vida que era mansa até outro dia.

Vida que segue.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *