O julgamento no TSE só prova que, com Gilmar, não corremos o risco de sair do buraco

 
por Kiko Nogueira, DCM

A única certeza no julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE é a de que um país com Gilmar Mendes não corre o menor risco de dar certo.

Somos uma piada institucional.

Os dois grandes momentos destes dias foram, em ordem de excrescência: os meritíssimos combinando como fariam para não faltar ao lançamento do livro de Luiz Fux, ali presente; e o suposto “embate” entre Gilmar e o relator Herman Benjamin.

Os ânimos se exaltaram principalmente na discussão em torno da validade do conteúdo de delações premiadas, como as de executivos da Odebrecht.

Herman Benjamin: Aqui, na Justiça Eleitoral, nós não trabalhamos com os olhos fechados. Esta é a tradução desse princípio da verdade real.

Gilmar Mendes: Vossa Excelência teria que manter o processo aberto e trazer as delações da JBS. E talvez na semana que vem as delações de Palocci. Para mostrar que o argumento de vossa excelência é falacioso. Há limites que o processo estabelece.

Herman Benjamin: O que se quer é que o TSE feche os olhos à prova da Odebrecht.

Outro trecho, este especial:

Gilmar Mendes: Essa ação só existe graças ao meu empenho, modéstia às favas. Vossa Excelência hoje é relator e está brilhando na televisão do Brasil todo.

Herman Benjamin: Vossa excelência sabe que eu prefiro o anonimato, muito mais. Um juiz dedicado a seus processos, que não tem nenhum glamour. Aliás, processo em que se discute condenação de A, B, C ou D, em qualquer natureza, não tem e não deve ter nenhum glamour pessoal.

Herman Benjamin: Não escolhi ser relator, preferia não ter sido relator, mas tentei cumprir a minha… só cumpri o que foi deliberação do tribunal.

Numa dessas altercações, Benjamin sugeriu: “Vossa excelência tem que pedir desculpas a si mesmo”.

Gilmar nunca pediu perdão a nada e nem a ninguém e agora é tarde demais.

Deveria se desculpar para o povo brasileiro, mas eis duas abstrações (as desculpas e o povo) que GM ignora.

Leia::  Guerra Suprema: Janot quer anular decisão de Gilmar sobre Eike

Nada que esteja associado a Gilmar Mendes merece ser chamado “superior”. É uma contradição em termos.

Os shows dos juízes e o casamento com a mídia fizeram um mal enorme a uma figura vaidosa como Gilmar Mendes.

Ele mesmo se auto acusa ao dizer que o outro deve lhe ser grato por “brilhar na TV”.

Ora. Ninguém quer espetáculo algum, especialmente deles, e sim sobriedade, discrição e algo remotamente parecido com justiça.

Mas é isso o que viraram as cortes e essas estrelas: uma coleção de Latinos achando que são Mick Jaggers.

Os colegas são cúmplices amedrontados. O único que confrontou Gilmar foi o destemperado Joaquim Barbosa, quando lhe avisou que o ministro não estava falando com “os seus capangas do Mato Grosso”.

O próprio Benjamin, preparado e bem intencionado, diante das grosserias e ofensas pesadas do interlocutor, fez questão de lembrar que eles amigos pessoais “há mais de 20 anos” (imagine se não fossem).

Medo. Gilmar mete medo em seus pares.

Em qualquer país sério, não estaria ocupando a cadeira. Foi flagrado em reuniões no Jaburu, fora da agenda, com Michel Temer, pegando carona no avião presidencial etc (sem contar quando foi pilhado num grampo com Aécio Neves prometendo intervir para o velho companheiro tucano junto ao senador Flexa Ribeiro, do PSDB do Pará).

Nas poucas vezes em que foi instado a responder por seus abusos, deu de ombros, montado na certeza inabalável de que ele pode tudo e jamais será incomodado.

São décadas de serviços prestados ao que o Brasil tem de pior. O TSE sacramenta Gilmar Mendes como a maior vergonha nacional.

De certo modo, é o homem certo na hora certa. Não para nos redimir ou dar esperança, mas para mostrar a que ponto descemos.

Leia::  Ruralista levam perdão de dívida nas costas dos aposentados

Assistir a essas sessões resultam na convicção de que, com Michel ou sem Michel, não temos chance de sair do buraco como nação porque ele está tampado pelo beiço buliçoso de Gilmar Mendes.

O resto é detalhe.

Vídeo:

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *