O suicídio da veterinária que sacrificou centenas de cães de rua em Taiwan


.Uma nova lei proibindo o sacrifício de animais está entrando em vigor neste sábado em Taiwan. Ela vem quase um ano após o suicídio de uma veterinária abalada com a situação de animais recolhidos em abrigo, um caso que causou grande comoção no país.

Da BBC Brasil

Talvez a veterinária e amante dos animais Chien Chih-cheng estivesse no emprego errado na hora errada. “Ela muitas vezes trabalhava até tarde”, conta Winnie Lai, colega de trabalho dela em um abrigo para cães abandonados na cidade de Taoyuan.

“Quase nunca tirava uma hora para o almoço e sacrificava seus feriados para dar aos cachorros mais atenção e melhorar suas vidas.”

Formada em uma das melhores universidades do país e com uma das mais altas pontuações nos exames finais, Chien poderia ter escolhido um trabalho de chefia na sede do abrigo, mas optou por cuidar pessoalmente de cães que são abandonados todos os anos em Taiwan.

A entrada era decorada com desenhos e fotos de animais feitos por Chien para motivar adoções, mas a maioria dos animais acabava sendo destinada ao sacrifício.

Em 5 de maio do ano passado, Chien se matou usando a mesma droga administrada no sacrifício de cães. Ela disse que queria ajudar as pessoas a entenderem o destino de cães abandonados em Taiwan.

O caso teve grande impacto no país pela morte trágica de uma pessoa tão jovem – e levantou, também, um questionamento acerca das pressões suportadas pelas pessoas que trabalhavam na linha de frente da batalha contra o abandono dos animais de estimação.

Vieram à tona imagens de uma entrevista que Chien tinha dado a uma rede de TV local, em que descreve a primeira vez que viu um animal sendo sacrificado. “Eu fui para casa e chorei a noite toda”, diz ela.

Mas surgiram também detalhes sobre o dilema vivido por ela. Empregados do abrigo não queriam sacrificar os cães, mas Chien e outros viam essa como a solução “menos dolorosa” para os animais que ficavam ali, envelhecendo sem ser adotados, correndo risco de pegar doenças por causa da superlotação do local.

Leia::  O campo de testes onde soviéticos explodiram quase 500 bombas atômicas

Ela chegou a sofrer ataques pessoais, e recebeu o apelido de “a bela assassina” quando foi revelado que Chien já havia sacrificado 700 cachorros em dois anos.


“Eles a chamaram de açougueira…nós muitas vezes éramos repreendidos. Algumas pessoas diziam que iríamos para o inferno. Eles dizem que nós gostamos de matar e que somos cruéis”, disse Yu-jie, um dos funcionários que trabalhavam com ela.

“Mas as pessoas continuam a abandonar seus cachorros. Você ouve todos os tipos de motivos: o cachorro é muito bravo, ou não é nem um pouco bravo, ou late muito, ou não late o suficiente…”

Alta taxa de mortes

Além do número de abandonos de cães ser muito elevado em Taiwan, grande parte desses animais são largados nas ruas sem ser esterilizados facilitando a procriação descontrolada, aumentando de fato o problema.

A situação melhorou na última década, graças a uma maior conscientização da população e aos esforços de abrigos e ativistas que fazem campanhas contra o abandono e também para motivar adoções.

Mas o número de animais sacrificados ainda segue alto e abrigos sofrem com falta de recursos.

O trabalho é difícil e exige dedicação. Em alguns abrigos, metade dos animais são mortos. Em 2015, cerca de 10,9 mil cães foram sacrificados – e outros 8,6 mil morreram por outras causas, como doenças.

Na entrevista à TV, Chien contou como era o procedimento de sacrifício de um cachorro.

“Inicialmente, nós o deixamos dar um passeio e comer um pouco e conversamos com ele. Quando você o coloca na mesa, ele está muito assustado e todo o corpo está tremendo, mas depois que você administra a droga, em três a cinco segundos ele para, já não se mexe mais. Na verdade, é muito triste”.

Nenhum tipo de auxílio psicológico era oferecido para quem trabalhava ali. E o abrigo de Taoyuan tinha uma das menores taxas de sacrifício e uma das maiores de adoções entre os canis do país.

Leia::  VÍDEO: Cristina Kircher conta como se defendeu dos manifestantes que invadiram a casa onde estava

Uma carta que Chien deixou quando se matou sugere que sua preocupação com o bem-estar dos animais havia consumido suas forças. Seus colegas atestam isso, embora especialistas digam que os motivos que levam uma pessoa a cometer suicídio são muitos e complexos.

“Ela se colocava sob muita pressão. Ela gostava e se importava muito com os animais, então a pressão do trabalho a afetava”, disse Lai.

Colegas de trabalho de Chien ainda sofrem com sua perda

Na carta que deixou, Chien escreveu: “Eu espero que minha ida faça com que vocês percebam que cachorros abandonados também são vidas. Espero que o governo entenda a importância de controlar o problema. Por favor, valorizem a vida”.

O caso teve grande repercussão. Alguns jornais acusaram o governo de terem “assassinado” Chien, mencionando que as autoridades haviam falhado na tentativa de encontrar soluções efetivas para acabar com o abandono de animais de estimação ou para prevenir a reprodução dos cães abandonados.

Muitos acusaram “burocratas de alto nível” de terem tentado convencer o público de que Chien fez isso porque não conseguia aguentar a pressão no trabalho. Outros ainda disseram que era muito fácil culpá-la juntamente com os outros funcionários do abrigo, mas que todos deveriam assumir sua responsabilidade na questão.

Alegavam que a raiz do problema era a falta de fiscalização da lei de esterilização. O chefe da seção de proteção animal do Conselho de Agricultura, Chiang Wen-Chuan, disse que a lei que exige que os donos esterilizem os animais, só entrou em vigor recentemente e que, por isso, ainda não era possível aplicar multas imediatamente.

Apesar de funcionários visitarem cerca de 60 mil donos de animais a cada ano, para pedir que eles sigam a lei, apenas 30% dos 1,7 milhões de cães da ilha são castrados.

Medidas a curto prazo

Chien já sabia, quando morreu, que uma nova lei estava para ser implementada.

Leia::  Sociedade Civil volta à cena e lança projeto

A partir de 4 de fevereiro deste ano, será ilegal sacrificar animais abandonados. Os orçamentos para os abrigos também aumentaram 40%, haverá mais inspectores e agora todos que desejam abandonar seus animais de estimação em um abrigo precisarão pagar uma taxa alta – cerca de US$ 125.

As autoridades dizem que isso não tem qualquer relação com o suicídio de Chien ou com sua história, que foi considerada simplesmente uma tragédia humana.

O governo prometeu aumentar os recursos e as equipes que trabalham em abrigos e oferecer apoio psicológico. Mas muitos veem isso como apenas medidas de curto prazo.

“Nós temos uma equipe muito pequena. Taiwan conta com apenas 140 funcionários de proteção animal”, disse Chiang. “É um problema sistemático. Acabar com o sacrifício, ampliar os abrigos e aumentar o número de funcionários não resolverá, disse Wen-Chuan ”

Muitos donos acham que a esterilização altera a personalidade dos cachorros. Outros querem criar os animais para dar aos amigos ou para vender.

Ativistas querem que o governo fiscalize os criadores de animais, dê subsídios a ONGs para a esterilização e ofereça assistência a grupos que resgatam cães abandonados.

Talvez Chien não tenha sido o motivo para as mudanças, mas seu amor pelos animais não será esquecido por seu marido, que também trabalha com eles, e seus colegas de trabalho – que ficaram muito abalados com sua morte.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *