O ‘vilão’ da cozinha apontado pelos médicos como principal causa da epidemia global de obesidade

O comércio globalizado barateou os óleos que se tornaram um produto abundante, usado sem restrições em diferentes pratos e produtos industrializados.

Uma colher de chá de óleo, medida com exatidão. É assim que o professor Tim Benton se lembra de sua mãe preparando a fritura dos alimentos.

Durante a sua infância, nos anos 1960, o óleo de cozinha ainda era um produto precioso, utilizado com parcimônia.

Hoje em dia, no entanto, ele é tão abundante e barato que o usamos sem restrições em tudo: desde o tempero da salada às frituras.

Isso não se limita à culinária: o óleo é também um ingrediente comum da maior parte dos produtos que compramos no supermercado.

Na verdade, o óleo vegetal, especialmente o de soja e o de palma (ou dendê), está entre os oito ingredientes – os outros sendo trigo, arroz, milho, açúcar, cevada e batata – que fornecem 85% das calorias consumidas mundialmente.

A cada dia que passa, não importa o país em que vivemos, todos temos uma dieta parecida – rica em calorias e pobre em nutrientes.

Calorias muito baratas

É um processo que o professor Benton, pesquisador da Universidade de Leeds especializado em segurança alimentar e sustentabilidade, relaciona diretamente ao comércio global.

A produção de óleos vegetais e as culturas oleaginosas cresceram consideravelmente nas últimas três décadas.

Esse crescimento foi incentivado por uma combinação de acordos comerciais, que tornaram mais barato e fácil exportar e importar óleo, e políticas governamentais. Por exemplo, os subsídios em países como Malásia e Indonésia, destinados a aumentar a produção para exportação, ajudaram a baixar o preço do óleo vegetal.

As pesquisas mostram que a obesidade mais do que dobrou em todo o mundo desde 1980.

“Competir em um mercado global exige uma escala de produção altamente eficiente e barata. Agora nós temos um sistema alimentar construído sobre calorias incrivelmente baratas”, diz o professor Benton.

Em muitos casos, esse comércio de alimentos ajudou a reduzir a fome ao dar “aos mais pobres acesso a calorias baratas”, destaca.

Leia::  Não é só com carne: leite com ureia e óleo em vez de azeite estão entre fraudes de alimentos no Brasil

Mas ele afirma que isso significa que mais pessoas estão consumindo produtos importados menos saudáveis do que os disponíveis a nível local – e isso também teria ajudado a nos tornar mais gordos.

Estamos mais gordos

Mais de 50 por cento da população mundial não têm um “peso saudável”, de acordo com uma recente pesquisa coordenada pelo professor Benton. E a obesidade em todo o mundo mais do que dobrou desde 1980.

“Os mais pobres ainda lutam para consumir as calorias necessárias e estão abaixo do peso. Nos países ricos, porém, a pobreza geralmente não impede que as pessoas deixem de ingerir calorias, mas faz com que parem de ter uma dieta rica em nutrientes”, diz a pesquisa.

A professora Corinna Hawkes, diretora do Centro de Política Alimentar da Universidade de Londres, diz que o grande aumento das fontes de calorias desde o início da era da globalização vem do cultivo de oleaginosas.

“Houve um súbito e forte aumento da oferta de óleos de soja e palma e, a meu ver, isso está diretamente relacionado com as políticas que tornaram a sua comercialização mais fácil”, explica.

Os pesquisadores buscam resposta para a ‘questão da quinoa’ : teria a globalização beneficiado de maneira desproporcional populações que já tinham um cardápio privilegiado?

As oleaginosas estão atualmente entre as sementes mais vendidas e a maior parte dos alimentos processados contém óleos de soja ou de palma, porque isso ajuda a aumentar o seu prazo de validade nas prateleiras dos supermercados, acrescenta a professora.

“Como se tornou muito mais fácil e barato para a indústria de alimento importá-los, não houve um desestímulo ao uso desses óleos”, continua.

Uma pequena quantidade de gordura é parte essencial de uma dieta saudável e balanceada. Mas gorduras são ricas em calorias, por isso consumi-las em grande quantidade pode aumentar o risco de sobrepeso ou obesidade. Gorduras saturadas ou trans também são associadas a doenças cardíacas.

Leia::  Tribunal restaura a lógica: suspensa a internação “gestapo” em São Paulo

A professora Hawkes diz que o baixo custo e a grande oferta de óleo levaram a mudanças de hábitos culinários de alguns países. Na China, por exemplo, a comida é preparada em grandes quantidades de óleo, assim como no Brasil.

Mas além do aumento do comércio de oleaginosas, acrescenta a professora, é importante notar que a venda de frutas e vegetais também aumentou e isso significa que muitas pessoas viram a sua dieta melhorar.

Desequilíbrio

A professora Hawkes chama atenção para um outro fator, que ela chama de “a questão da quinoa”. A crescente procura por este “superalimento”, cultivado há milênios nos Andes – os incas o chamavam de “grão dos deuses”, pois era a sua principal fonte de proteína -, tem feito seu preço disparar e tirado ele das prateleiras de países onde a quinoa se originou, como Peru, Bolívia, Equador e Colômbia.

A questão que surge está no centro da controvérsia que envolve a globalização: o aumento do consumo de quinoa beneficiou de maneira desproporcional populações que já tinham um cardápio privilegiado.

Ou seja, enquanto quem tem acesso a informações sobre nutrição e saúde estaria se tornando mais saudável graças ao comércio globalizado, pessoas que não possuem esse conhecimento estariam vendo a qualidade da sua dieta piorar.

Atualmente podemos trabalhar, comprar e nos relacionar sem sair de casa e praticamente sem termos que nos movimentar. Isso engorda, alertam os pesquisadores.

‘Globalização social’

No entanto, isso é desmentido por um recente estudo da London School of Economics (LSE), que analisou 26 países entre 1989 e 2005, período de grande expansão da globalização.

A pesquisa concluiu que a chamada “globalização social” – as mudanças na maneira como trabalhamos e vivemos – é o que está nos tornando gordos, e não a maior oferta de alimentos baratos e mais calóricos.

A culpa pela obesidade deve ser atribuída ao fato de que agora estamos cada vez mais sujeitos a trabalhar, a comprar e a socializar sem precisar se movimentar, diz a autora do estudo, Dr. Joan Costa-Font.

Leia::  Anvisa proíbe propagandas da Ultrafarma, do amigo de Doria, por irregularidades

Ela diz que o consumo continua o mesmo dos tempos pré-globalização, em que as necessidades eram outras, quando “as pessoas tinham que andar até os lugares e não havia tantas atividades que nos faziam poupar energia como hoje”.

“Os indivíduos tinham contatos sociais mais próximos, cozinhavam e gastavam mais tempo com as tarefas domésticas diárias”, analisa.

Costa-Font diz que as pessoas têm novas necessidades e por isso, por se movimentarem menos, deveriam comer menos – ou se movimentar mais.

Ele cita os Estados Unidos como exemplo. Embora os índices de obesidade no país cheguem a quase 35 % da população, este percentual vem se mantendo praticamente o mesmo na última década.

“Esta é uma boa notícia. Pode ser que os EUA estejam começando a aprender como comer e adaptar o seu estilo de vida à globalização. A hipótese é de que este aumento da obesidade seja apenas transitório”.

2 comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *