Pannunzio dá show de mau jornalismo na entrevista com Holiday

por Renato Rovai, Blog do Rovai

Depois de ler algumas postagens sobre a entrevista do repórter Fábio Pannunzio, da Rádio Bandeirantes, com o vereador Fernando Holiday decidi buscá-la na internet.

Boa parta da minha timeline estava exultante com o fato de Pannunzio ter colocado “o moleque fascista” no seu devido lugar.

Então, eu que acho Holiday um garoto de caráter duvidoso e que a partir da leitura da matéria do BuzzFeed passei a ter convicção que ele praticou sim, caixa 2, como, aliás, praticamente todos vereadores da atual Câmara de São Paulo devem ter feito, vou ouvir a entrevista.

E eis que saio dela com a convicção que Holiday não foi o canalha da vez naquele show de horrores produzidos numa concessão de rádio, mas sim o colega de profissão, Fábio Pannunzio, que de maneira autoritária tratou Holiday não como um entrevistado, mas como um safado que estava ali para tomar umas bordoadas ao vivo e divertir sua audiência.

O jornalismo capanga, clássico nos programas policias da tarde, veio para a política de uma forma acintosa nos últimos tempos.

E produziu, por exemplo, gente como Marco Antonio Vila, que todos os dias atacava o ex-prefeito Fernando Haddad como se fosse um delegado de polícia xingando um estuprador.

Pannunzio está buscando ser o Vila da Band. E isso cada dia isso fica mais claro. Nas poucas vezes que lhe ouvi nos últimos tempos ele fica vociferando opiniões sobre tudo e todos. E sempre falando do alto de uma soberba e como se fosse o pastor de um templo de isenção.

Jornalismo não é isso. É algo um pouco mais sofisticado.

Ter opinião é absolutamente natural, fazer de conta que ela é verdade absoluta é outra coisa. Não tem nada a ver com jornalismo e é extremamente perigoso se praticado por pessoas ambiciosas, como parece ser Pannunzio.

Leia::  Delação virou “quem dá mais” e “como pago menos”

Na entrevista com Holiday, ele exige que o entrevistado diga o que ele quer ouvir. E como isso não acontece, o trata como se fosse um moleque chegando ao ponto de lhe cortar a voz ao mandar derrubar a ligação.

Não gostar das opiniões de Holiday ou das explicações que ele dá para a matéria do BuzzFeed, muito bem feita por sinal, não me fará associar a este tipo de jornalismo fascista.

Quem conhece um pouco dos ambientes de redação sabe o que é lidar com esse tipo de profissional como Pannunzio demonstra ser. E sabe também quanto este tipo de postura de briguento de botequim e não de jornalista influencia de forma negativa a formação dos jovens que estão chegando na área.

E faz com que eles ao invés de estudarem, prefiram treinar como gritar mais alto decorando frases baseadas no senso comum.

Em suma, o que Pannunzio fez com Holiday é pior do que o caixa 2 denunciado pelo BuzzFeed. E faz mais mal para a sociedade. Porque se todos os jornalistas começarem a se comportar como ele, acabou-se qualquer possibilidade de a mídia ser um espaço minimamente democrático.

PS: Se quiser ler o que a defesa do Pannunzio sobre o que fez, passe lá no blogue dele. Onde você pode escutar, inclusive, aquilo que ele chamou de uma entrevista.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *