Procuradores da República fazem congresso internacional de 9 dias na Índia

Vista da cidade de Jaipur, uma das cidades no roteiro
Programa tem ‘aula relaxante de yoga’ ao ‘nascer do sol’Em Jaipur, haverá ‘safári em Jeep aberto à Vila Samode’Tema do evento não consta do cronograma divulgadoContando tempo de deslocamento, serão 11 dias de folgaCusto por pessoa é de US$ 4.577; casais pagam menos
por Gabriel Hirabahasi, Poder 360

Por 11 dias, 17 procuradores da República ficarão afastados de suas funções. Estarão em viagem à Índia, para 1 congresso organizado pela Associação Nacional dos Procuradores da República. O evento realizado de 1º a 9 de março de 2017 tem como tema “Organizações Criminosas e Tráfico de Pessoas”.

Os que comparecerem ficarão longe do trabalho de 28 de fevereiro a 10 de março, segundo a orientação na ANPR. A entidade pediu o afastamento dos procuradores para das datas de 2 e 3 de março. Nos outros dias, cada associado deverá solicitar férias para participar da viagem à Índia.

Os gastos são arcados pelos procuradores. A hospedagem custa de US$ 4.577 a US$ 11.667 pelo período do congresso. O pagamento é feito em até 4 vezes, com autorização de desconto na folha. As parcelas incidem sobre os vencimentos de janeiro, fevereiro, março e abril de 2017.

Apesar de o pretexto para a viagem ser 1 congresso sobre organizações criminosas, o roteiro dos procuradores inclui 1 passeio pelo Taj Mahal e uma “relaxante aula de yoga”. Na programação publicada pela ANPR não há menção ao congresso ou ao tema (“Organizações Criminosas e Tráfico de pessoas”). Leia aqui o cronograma completo.

Eis algumas fotos divulgadas pela associação no roteiro dos passeios turísticos.

Memorial de Mahatma Ghandi, Raj Ghat é o 1º ponto do passeio
Qutub MInar é a mais alta torre de pedra da Índia
O Taj Mahal é 1 dos principais pontos turísticos da Índia
Vista da cidade de Jaipur

JANOT DEFENDE AUXÍLIO MORADIA

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defendeu o pagamento de auxílio-moradia aos integrantes do Ministério Público. O benefício de R$ 4.377,73, na prática, aumenta o salário de promotores e procuradores. O valor, em alguns casos, é suficiente para que o salário do servidor ultrapasse o teto para o funcionalismo público, estipulado a partir dos vencimentos de 1 ministro do STF, hoje em R$ 33.763.

Leia::  Dr, Moro, se o seu julgamento não fosse político, seria só uma bobagem

O documento foi entregue ao Supremo em uma ação apresentada pela Ansemp (Associação Nacional dos Servidores do Ministério Público). A entidade pede que os beneficiários do auxílio comprovem as despesas e que o benefício seja restrito a procuradores e promotores que estejam fora do domicílio habitual. Ou seja, para servidores que estão lotados em uma cidade mas são remanejados para outra. Segundo a Ansemp, atualmente o auxílio se trata de 1 aumento salarial disfarçado de verba indenizatória. Leia a íntegra.

JUÍZES TAMBÉM TÊM REUNIÃO NO EXTERIOR

A Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho) realizou em Paris, na França, 1 congresso internacional em fevereiro. Os juízes trabalhistas podiam obter licença para viajar. Bastava que fossem autorizados pelo superior hierárquico (1 desembargador, por exemplo). A inscrição no congresso custou R$ 1.800,00, fora hotel e passagens. Eram 120 vagas.

Tem se tornado corriqueiro que magistrados e procuradores se reúnam no exterior para debater temas relacionados ao Brasil. Em 2013, a ANPR organizou 1 congresso em Roma. Em 2014, o encontro foi em Paris. A viagem em 2015 foi à Espanha. O último congresso foi na China, em 2016.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *