Só 11% preferem Temer a Dilma. E agora, CNI?

O dado mais relevante da pesquisa CNI/Ibope revela que apenas 11% dos brasileiros consideram o governo de Michel Temer, conquistado por meio de um golpe parlamentar, melhor do que o da presidente legítima e deposta Dilma Rousseff; para 52%, Dilma fazia um governo melhor e para 35% as duas administrações se equivalem; o dado é uma paulada para a própria Confederação Nacional da Indústria, presidida por Robson Andrade, que pagou a pesquisa Ibope e esteve na linha de frente do apoio empresarial ao golpe; o curioso é que a troca de governo foi um desastre para a própria indústria, que não para de acumular resultados negativos; diante da catrástrofe, Robson Andrade deveria pedir desculpas ao País e os industriais fariam bem se buscassem um comando empresarial mais alinhado com a democracia e com a defesa dos interesses nacionais

Do Brasil 247

O presidente da Confederação Nacional da Indústria, Robson Andrade, deve um pedido de desculpas por ter apoiado o golpe que instalou Michel Temer no poder. E os industriais que formam sua base têm a obrigação de buscar um comando mais comprometido com a democracia e a defesa dos interesses nacionais.

O dado mais relevante da pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quinta-feira, que mostra que apenas 5% dos brasileiros apoiam Michel Temer (saiba mais aqui), também revela que apenas 11% dos brasileiros consideram o governo Temer, conquistado por meio de um golpe parlamentar, melhor do que o da presidente legítima e deposta Dilma Rousseff.

Para 52%, Dilma fazia um governo melhor e para 35% as duas administrações se equivalem.

O curioso é que a troca de governo foi um desastre para a própria indústria, que não para de acumular resultados negativos (leia mais aqui).

Leia::  Estudantes da Uerj realizam ato contra abandono da universidade pelo governo

Leia, abaixo, dados divulgados pela própria CNI e acesse aqui a pesquisa completa:

A popularidade do governo de Michel Temer caiu significativamente entre março e julho deste ano. O percentual dos brasileiros que consideram o governo ótimo ou bom recuou de 10% em março para 5% em julho. No mesmo período, o número dos que avaliam o governo como ruim ou péssimo subiu de 55% para 70%. Outros 21% afirmam que o governo é regular e 3% não sabem ou não responderam a pergunta. As informações são da pesquisa CNI-Ibope, divulgada nesta quinta-feira, 27 de julho, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

De acordo com o levantamento, a confiança no presidente Temer também diminuiu. O número de entrevistados que confia no presidente recuou para 10% neste mês. Era 17% em março.  Nas capitais, apenas 7% confiam no presidente. Nas cidades do interior, esse percentual sobe para 11%.  O número de brasileiros que não confia em Michel Temer subiu de 79% em março para 87% em julho.

A pesquisa informa ainda que a população reprova a maneira de governar do presidente. O percentual dos que desaprovam a maneira de governar de Temer subiu de 73% em março para 83% em julho, enquanto que o dos que aprovam diminuiu de 20% para 11%. A aprovação é maior entre as pessoas com renda familiar superior a cinco salários mínimos. Nessa faixa da população, 22% aprovam a maneira de governar de Temer.

Além disso, 52% consideram o governo Temer pior do que o de Dilma Rousseff. E as perspectivas para o restante do mandato do presidente também são negativas. O número de pessoas que acredita que o restante do governo será ruim ou péssimo subiu de 52% em março para 65% em julho.

Leia::  A juíza, a política e a Lei

IMPOSTOS E JUROS – Também piorou a percepção sobre a atuação do governo nas nove áreas avaliadas pela pesquisa CNI-Ibope. A área com a pior avaliação é a de políticas para os impostos, com 87% de desaprovação. Em seguida, vem a saúde, reprovada por 85% dos brasileiros e, em terceiro lugar, aparecem os juros, com 84% de desaprovação. “Segurança pública e combate ao desemprego também registram percentuais de desaprovação superiores a 80%”, informa a CNI-Ibope.

Esta edição da pesquisa CNI-Ibope foi feita entre 13 e 16 de julho com 2 mil pessoas em 125 municípios brasileiros. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *