Sob Temer, os mais pobres desistem do celular

Por Tereza Cruvinel, Brasil 247

A recessão da era Temer-Meirelles já ampliou o desemprego, tirou o Bolsa-Familia de 1,5 milhão de famílias, reduziu o acesso aos planos de saúde, ao ensino privado e aos aviões, cortou milhares de aposentadorias por invalidez e auxílios-saúde.

Agora, mais uma revelação sobre o retrocesso social: os brasileiros estão falando menos ao célular, depois do exuberante crescimento do número de linhas e aparelhos no país nos últimos anos. Em 2016 houve uma redução de 5,33% na base de clientes das telefônicas, com perda de 13,747 milhões de linhas. Segundo a Anatel, esta involução na conectividade dos brasileiros foi mais acentuada nas regiões Norte e Nordeste.

Os mais pobres, que sempre se valeram mais de linhas pré-pagas, foram os que mais desistiram do celular, com uma redução de 10,7% no número de linhas ativas. Quando um usuário cadastrado deixa de alimentar seu celular com créditos por período prolongado, tem a linha desligada pela operadora, acabando com a modalidade “pai de santo”, o celular que só recebe chamadas e nada rende para as telefônicas. A modalidade pós-pago, mais utilizada pelas camadas de maior renda, até passou por uma expansão moderada. Oi, Claro e Tim foram as que mais perderam clientes, enquanto a Telefônica Vivo manteve sua base estável. O número de celulares fixos continuou caindo, mas esta é uma tendência mais ditada pela tecnologia do que pela crise.

Leia::  Meirelles estreia no Twitter. Quer o poder?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *