STJ retira Alckmin de Lava Jato; “bucha” tucana será só Aécio

por Fernando Brito, Tijolaço

A notícia do dia – menos na Folha, que a reduziu a uma pequena chamada na capa e a uma cobertura “sem sal” do seu interior, além de pé de um editorial mais insosso ainda – foi aquilo que Bernardo de Mello Franco, em O Globo, definiu com muito espírito no título de sua coluna, referindo-se ao “apelido” do ex-governador de São Paulo na “lista da Odebrecht”: Salvaram o Santo: Alckmin está livre da Lava-Jato.

O altar blindado é obra de uma concordância providencial entre a Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, através de um de seus auxiliares, e a Ministra Nancy Andrighi, do STJ, que, juntas, produziram um pequeno milagre: é provável que, assim, Alckmin fique livre, ao menos durante a campanha eleitoral, de acontecimentos “inconvenientes”, deixando a Aécio Neves e a Michel Temer a encarnação dos personagens destinados a fazer-nos quer que “a lei é para todos”.

Como diz Franco, em seu artigo:

Na prática, o “Santo” ganhou um salvo-conduto eleitoral. Poderá fazer campanha tranquilo, sem o risco de uma visita indesejada da polícia. Se ainda quiser produzir algum fogo no PSDB, a Lava-Jato terá que riscar fósforos queimados, como o ex-senador Eduardo Azeredo ou o ainda senador Aécio Neves.

Os já “sem-serventia”.

Boa notícia para Jair Bolsonaro, que sabe que a “reserva” de votos do tucano em São Paulo, ainda que ande pelo “volume morto”, é importante para que não apareça alguma novidade no cenário eleitoral.

Leia::  Não temos provas, mas temos ficção: o filme da Lava Jato, “A Lei é Para Todos”, mente até no título

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *