Temer-Meirelles: a chapa do “presidente decorativo”

por Fernando Brito, Tijolaço

O anúncio da filiação de Henrique Meirelles ao (P)MDB, combinado à entrevista de Michel Temer assumindo sua candidatura a Presidente coloca com provável uma dobradinha entre ambos, embora em matéria de recuos, o ocupante do Planalto seja pródigo, em seus jogos de dissimulação.

E, se isso ocorrer, não é difícil antever algumas consequências.

A mais ampla é que o “mercado” vai ter, ao menos, três candidatos pelos quais se dividirá: Jair Bolsonaro, Michel Temer e Geraldo Alckmin, penso eu que nesta ordem, sem contar o insólito dono da Riachuelo, Flávio Rocha.

Com Meirelles, Temer pode assumir seus ares decorativos (decoração kitsch, claro).

Os espaços para a candidatura Rodrigo Maia, que existiam mais em sua imaginação do que em qualquer outro lugar devem ceder lugar a uma tardia articulação por apoio no Rio de Janeiro e na Bahia e em uma ou outra coligação.

Ele não tem – ao contrário de ACM e de Álvaro Dias, sequer alguma expressão regional.

Já o MDB vai ter em muito sua vida dificultada. No Sul e no Centro-Oeste, é certo que parte migrará para Jair Bolsonaro, como no Nordeste irá para Lula ou para o candidato por ele apoiado. No Sudeste, variedade: no Espírito Santo, agarrar-se a Paulo Hartung; no Rio, desaparecer, praticamente, a depender do destino de Eduardo Paes, dividir-se em São Paulo entre Alckmin e Temer e, em Minas, entre este e o PT ou seu candidato.

Apesar de provavelmente beneficiado pelas defecções peemedebistas, Bolsonaro ganha mais um bloqueio para crescer: Temer, com ou sem Meirelles de vice, não vai deixar de ter algo perto de 10% dos votos, tal como Geraldo Alckmin terá isso, também. 5% mais dos outros mosquitos de direita, e seus 20% ou pouco mais, tem-se metade do eleitorado, quase.

Leia::  Gilmar diz que é hora de soltar presos por Moro

O que deixa a outra metade (ou pouco mais da metade) pronta a levar um candidato progressista ao segundo turno.

Por enquanto, a direita continua num mato sem cachorro

Ou melhor, no mato apenas com um mastim feroz.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *